img_472x263$2015_01_16_19_41_04_105105

Teatro Rivoli festeja o 83 º aniversário com nova programação

No dia 14 de Janeiro, foi apresentada oficialmente a programação do primeiro trimestre desta temporada do Teatro Rivoli. Os espetáculos arrancam já no dia 24 de janeiro com as celebrações do seu 83 º aniversário.

O novo diretor do Teatro Municipal do Porto , Tiago Guedes, aposta na diversidade das temáticas e artistas. “É muito importante apresentar nomes consagrados, companhias que o público já conhece mas também dar a conhecer ao público novos talentos, e dar também a esses novos talentos a possibilidade para desenvolver os seus trabalhos”, justificou o diretor relativamente à nova programação.

No próximo sábado, pelas 11H, é apresentado Sopa Nuvem da Companhia Caótica. O espetáculo compõe-se de histórias verídicas, música, cinema e sopa ao vivo. A peça é dedicada a toda a família.

Sopa Nuvem

Durante o dia, será inaugurada a exposição A Medida do Ocidente  de Álvaro Siza e Chiaramonte. Proxim(a)idade de Tales Frey também  fará parte das celebrações. A performance – instalação, estreada em 2013, analisa a moda e a religião.

Pelas 21H30, o Teatro Rivoli recebe uma estreia nacional. Tarab dos coreógrafos Laurence Yadi e Nicolas Cantillon questiona a identidade humana através da dança. Dez bailarinos vão entrar em palco e misturar movimentos das danças orientais a movimentos de danças urbanas, como o funk, o rock ou o R&B.

http://www.youtube.com/watch?v=jvJ17aBzf38

Durante o restante mês de janeiro e fevereiro, o Teatro Rivoli  irá receber espetáculos de Dança/Performance,  Teatro/Marionetas,  Música, Cinema e  Literatura/Exposições. Em março, destaca-se o Foco Brasil com espetáculos de artes performativas e cinema. Entre 20 e 22 de março, a programação é dedicada à comemoração do Dia Mundial da Marioneta.

Vê o vídeo promocional deste primeiro trimestre da Temporada 2015 do Teatro.

http://www.youtube.com/watch?v=1hY_pG9zchw#t=43

Consulta mais informações sobre os espetáculos, aqui.

Mais Artigos
Alô Marco Paulo
‘Alô Marco Paulo’ tinha “tudo para ser um desastre”, mas “acaba por se aguentar”