rosewater

Rosewater: Em busca da Liberdade

A água de rosas é conhecida por perfumar e abençoar quem se banha no seu líquido singular, proveniente da região da antiga Pérsia. É com uma paisagem de rosas e um belo poema Iraniano, que o filme de Jon Stewart, Rosewater – Uma Esperança de Liberdade, inicia a jornada conturbada de Maziar Bahari, um jornalista preso e torturado durante quatro meses por reportar a verdade sobre o autoritarismo Iraniano.  Tal como as rosas são um apelo ao sagrado, também podem ser o odor das mãos de um opressor.

Baseado em factos verídicos, o filme retrata a corrupção política e religiosa que ainda permanece no Irão. Acompanhamos a vida de Maziar, um jornalista canadiano de origem iraniana ao serviço da revista americana Newsweek que é enviado à sua terra natal para acompanhar as eleições presidenciais de 2009. O jornalista ouve os representantes fundamentalistas do governo de Mahmoud Ahmadinejad e no fervor dos acontecimentos, também trava conhecimento com os revolucionários do movimento verde, que lutam por um Irão livre em nome do candidato opositor Mir-Hossein Mousavi.

75

Através da objetiva do jornalista vemos um povo que se impõe contra os fanatismos do governo e a doentia obsessão anti-ocidental. Contudo, num país não livre, uma câmara torna-se uma arma mortífera e uma janela através da qual se denuncia a verdade que o governo pretende ocultar.

Os vídeos sobre a oposição, a entrevista cómica ao The Daily Show e objetos ocidentais (DVDs Sopranos ou CDs Leonard Cohen) considerados um atentado à santidade da nação, foram usados como prova da deslealdade de Maziar ao Estado do Irão. O jornalista é preso e torturado sob falsas suspeitas de espionagem a favor dos EUA, ao serviço da CIA.

Essa estratégia política de encarcerar Maziar serviu para denegrir qualquer palavra e imagem que este tenha filmado e que pudesse pôr em causa a integridade do governo e instigar a rebelião contra as suas medidas no país. A notoriedade e visibilidade internacional que o caso de Maziar conseguiu fez com que a sua libertação fosse concretizada, sendo esta uma vitória contra os mecanismos de manipulação iranianos.

75-1

Considerado um ativista contra o autoritarismo, Jon Stewart lança-se com uma obra que contesta os atentados contra a liberdade humana que ocorrem no Irão. Com o seu filme, o realizador pretende mostrar que nem todos os iranianos são contra o Ocidente e muitos deles são abertos à globalização, fundindo as suas tradições com as culturas emergentes. Deste modo, ele ridiculariza as teorias fanáticas e de conspiração completamente desenquadradas e desatualizadas, mas que infelizmente são defendidas e lideradas por aqueles com maior capacidade de mobilização e poder.

O filme aborda com mestria a questão do testemunho jornalístico e homenageia todos aqueles que com uma câmara, máquina fotográfica ou lápis transmitem a verdade ao mundo, mesmo correndo o risco de serem aprisionados por isso. A principal mensagem do filme é precisamente esta, o maior medo dos opressores é a revelação da verdade e qualquer pessoa tem essa arma nas suas mãos, por mais perseguições que haja.

Para além do maravilhoso argumento que seguiu minuciosamente a luta de Maziar pela sua liberdade, o filme é visualmente sublime. As sobreposições de imagens entre o passado e o presente, que invadem os pensamentos e a cidade, levam o espectador a emergir na realidade do Irão, que está tão mediatizada e, ao mesmo tempo, distante dos nossos olhos.

Um filme maravilhoso que chega num período em que o cinema se transformou numa arma de contestação. Nem tudo na vida é um mar de rosas.

9/10

Ficha Técnica:

Título Original: Rosewater

Realização: Jon Stewart

Argumento: Jon Stewart,  baseado na obra de Maziar Bahari e Aimee Molloy, Then they came for me

Elenco: Gael Garcia Bernal, Kim Bodnia, Dimitri Leonidas, Nasser Faris

Genéro: Biografia

Duração: 103 minutos

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
caught in the net, klusak, chalupova, documentário, checo
‘Caught in the Net’: Este documentário está a gerar investigações criminais