Numa votação da Porto Editora em que participaram cerca de 22000 mil portugueses, a Palavra do Ano de 2014 eleita  é “Corrupção”.

É já pelo sexto ano consecutivo que a Porto Editora lança a votação para a Palavra do Ano e, a de 2014 ocorreu durante todo o mês de dezembro no site da Infopédia. Foram dez as palavras a concurso, sendo elas “Banco”, “Basqueiro”, “Cibervadiagem, “Ébola”, “Legionela”, “Gamificação”, “Jihadismo”, “Selfie”, “Xurdir” e a ilustre vencedora “Corrupção”.

A escolha dos portugueses para a Palavra do Ano foi justificada pelos diversos casos de corrupção conhecidos ao longo do ano passado e toda a mediatização que lhes foi dada, sendo exemplo disso o processo Face Oculta, a operação Labirinto e até a inesperada detenção de José Sócrates.

Em segundo lugar ficou a palavra “xurdir”, ultrapassando assim a palavra “selfie”, que ocupa o terceiro lugar do pódio. Em tempos de crise o melhor mesmo é xurdir, um regionalismo que significa “lutar pela vida; mourejar”. O ressurgimento desta palavra coincide perfeitamente com a conjuntura socioeconómica que Portugal atravessa, constituindo de qualquer das maneiras um enriquecimento do vocabulário dos portugueses, por ficar à frente de palavras mais conhecidas. Já a palavra selfie é o espelho dos tempos modernos, sendo inevitável o seu uso constante numa era dos smartphones e das redes sociais, onde a palavra está já consolidada no quotidiano dos portugueses.

A palavra "xurdir" ultrapassou a palavra "selfie" em número de votos.

A palavra “xurdir” ultrapassou a palavra “selfie” em número de votos.

A Palavra do Ano é uma iniciativa da Porto Editora que visa enaltecer o património da língua portuguesa, sublinhando a importância das palavras e dos seus diferentes sentidos no nosso dia-a-dia.

Nas edições anteriores, as palavras vencedoras foram “bombeiro” (2013), “entroikado” (2012), “austeridade” (2011), “vuvuzela” (2010) e “esmiuçar” (2009).