A Disney está de volta aos cinemas e desta vez veio acompanhada de muita ação e seis novas e divertidas personagens: os Big Hero 6 – Os Novos Heróis.

O protagonista é Hiro, um jovem inteligentíssimo que perdeu o irmão num incêndio. Com a ajuda de Baymax, o simpático robô que o seu irmão construiu, e os seus quatro novos melhores amigos, Hiro vai tentar encontrar o responsável.

Big Hero 6 é baseado em personagens da Marvel, o que levou muitos a torcer o nariz. Super-heróis em formato desenho animado da Disney? Realmente não soa nada bem, tendo em consideração não só a falta de inspiração que tem marcado as suas últimas animações feitas sem o auxílio da Pixar mas também o mais que óbvio abismo que existe entre cada uma das empresas (ainda que uma seja dona da outra…).

Mas o que se conseguiu com esta aposta da Disney em heróis de ação de banda desenhada foi, afinal, uma das mais divertidas e entusiasmantes animações do ano. Tudo o que o público gosta nos filmes de “bonecada” e nos de ação e super-heróis está presente em cada minuto de Big Hero 6, desde a forte carga sentimental dos diálogos (carregadinhos de valores morais, de família e de amizade) até às perseguições e às lutas entre heróis e vilões.

Há que admiti que, por vezes, a passagem da vertente mais típica das histórias de animação para os segmentos de maior ação, e vice-versa, sai falhada e criam-se momentos ora aborrecidos ora apressados, que, embora rapidamente compensados de seguida com mais uma explosão de divertimento, fazem de Big Hero 6 um filme não tão completo como se esperaria.

Os aventureiros do filme, os peculiares e não menos corajosos Fred, Go Go, Wasabi e Honey Lemon, juntam-se a Hiro e com ele fundam um quinteto incrível de novos heróis, cada um armado com muitas engenhocas originais. E depois há o adorável Baymax, uma personagem que já se adivinha que se vá tornar uma das mais adoradas pelas crianças e que talvez seja explorada em futuros filmes da Disney (tem potencial para ter o seu spin-off), ou não fosse ele o responsável pela eficácia dos momentos tanto cómicos como comoventes.

As aventuras dos Big Hero 6 tomam lugar em San Fransokyo, uma cidade cheia de cor e bastante visionária. Don Hall e Chris Williams, a dupla de realizadores, fazem nela divertidas junções das paisagens e das culturas americanas e japonesas, como a ponte de São Francisco enfeitada com adereços nipónicos. Também o humor do argumento é surpreendente. As piadas são muito inteligentes e imaginativas (longe daquelas fáceis e irritantes destinadas apenas a criancinhas) e oferece um punhado de diálogos hilariantes e muitas outras gags visuais originais.

É por isso que Big Hero 6 – Os Novos Heróis se afirma como a melhor proposta para miúdos e graúdos, fãs da Disney e de ação, para esta quadra festiva. Apresentando meia dúzia de personagens divertidíssimas (dobradas muito bem em português numa versão que, a julgar pelo trailer americano, até é melhor que a original) numa história muito animada, esta em sem dúvida uma das melhores animações de 2014. E não cheguem tarde à sessão, que antes dos filme passa a belíssima curta-metragem Festim.

8/10

Ficha Técnica:

Título: Big Hero 6

Realizador: Don Hall e Chris Williams

Argumento: Jordan RobertsDaniel GersonRobert L. Baird, baseado nas personagens criadas por Duncan RouleauSteven T. Seagle

Elenco (versão portuguesa): André Raimundo, Peter Michael, Afonso Lagarto, Patrícia Adão Marqueses, Sabri Lucas, Carla Garcia

Género: Animação, Ação

Duração: 102 minutos