Chega a sexta feira, e com ela vem mais um Casulo, pronto a revelar dois novos artistas para descobrir.

Nesta edição apresentamos-te a banda nacional Holy Nothing e, diretamente de  Londres, o duo Honne. De  um lado, uma banda que já tem alguma experiência e está a começar a tornar-se conhecida no âmbito da música nacional, do outro, dois amigos que estão a dar os primeiros passos na Música, com uma nova sonoridade.

Holy Nothing

Proveniente da Cidade Invicta, os Holy Nothing apresentam um som alternativo. Pedro Rodrigues, Nelson Silva e Samuel Gonçalves são os elementos que formam esta banda, que apresenta uma nova forma de atuação ao vivo: para além da música, marcada essencialmente pelo trabalho de sintetizadores, os espetáculos passam também por uma narrativa visual, graças às projeções do designer Bruno Albuquerque, responsável pela componente gráfica deste projeto.

Holy Nothing

Depois do lançamento da canção Nothing is Fun e do EP Boundaries, a banda do Porto prepara-se para lançar o seu álbum de estreia no próximo ano. O disco contará com a produção de Rui Maia, dos X-Wife. Apesar de ainda não ter uma data de lançamento concreta, o álbum já tem um tema de avanço; chama-se Cumbia, com uma sonoridade que mistura música eletrónica e ritmos exóticos.

Honne

Andy James são dois amigos de longa data que decidiram pegar no soul clássico e dar-lhe um twist com o recurso a sintetizadores. O nome provem do termo japonês “本音” e significa “sentimento verdadeiro”. James afirma ao The Telegraph que “o significado por trás de Honne condiz com a nossa música, muito mais do que se pode pensar”.

Honne

Os Honne ainda não editaram nenhum álbum, mas já lançaram o seu primeiro single no passado mês de setembro. Warm On A Cold Night já tem um videoclip, que junta amor e dança contemporânea:

Mais recentemente, o duo lançou mais uma música, All In The Value, que podes ouvir aqui:

E como tudo o que é bom acaba depressa, o Casulo despede-se de mais uma edição. Estaremos de volta na próxima sexta feira.