Foi no passado dia 5 de novembro que decorreu a 5.ª edição do Fórum do Espaço, no Pavilhão do Conhecimento, onde foi apresentado o programa ESA BIC Portugal.

A European Space Agency (ESA) irá investir, no Instituto Pedro Nunes (Coimbra), oito milhões de euros, durante cinco anos, para a criação de uma incubadora de empresas, a 10ª da ESA. O objetivo é promover e apoiar a aplicação de tecnologias, que costumam ser usadas no espaço, em produtos, atividades e serviços desenvolvidos por empresas portuguesas.

Além de apoio técnico para a adaptação das tecnologias usadas em contexto espacial, nos primeiros dois anos cada projecto receberá um investimento de 50 mil euros. Com o intuito de fomentar a criação de 120 postos de trabalho durante a duração do projeto e de apoiar 30 empresas sediadas em Portugal, o Business Incubation Center da Agência Especial Europeia (ESA BIC Portugal) vai ser desenvolvido ainda com o apoio do Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) e da agência DNA Cascais.

01

Este projeto visa ajudar, além de empresas que já estão a operar no mercado, estudantes, estagiários, spin-offs de empresas, incubadoras, space companies e outras industrias paralelas que possam ganhar com isso. Na presença de Ana Noronha, Pedro Carneiro e Leonor Parreira, Amnon Ginati destacou, na 5.ª edição do Fórum do Espaço, que “esta é uma grande oportunidade para inspirar as pessoas para a temática” e que Portugal é pequeno mas está a desenvolver-se muito bem.

Frank Salzgeber referiu que os portugueses provaram desenvolver excelentes projetos de tecnologia espacial e distinguiu as boas universidades e bons investigadores do país.

No espaço de exposições foi possível ficar a conhecer algumas das empresas e projecto nacionais que têm dado frutos: Elecnor, GMV, Omnidea, HPS, IPMA, Lusospace, EFACEC, Active Space, Tekever space, Critical Software, Eixo Digital, Thales, Edisoft, ESERO, Space Weather, Active Aerogels, Horizonte 2020- FCT, IPFN (Un. Tecnico), Evoleo Technologics e Iastro ( Inst. De Astrofisica e ciências do Espaço).

É de destacar que a ESA celebra este ano o seu 50º aniversário, tendo sido fundada em 1964, aquando da Convenção da ELDO e ESRO. Portugal contribui com a ESA desde 2000, ao nível das aplicações espaciais nas áreas das telecomunicações por satélite, navegação por satélite, observação da terra, tecnologia espacial, ciências espaciais, e exploração robótica. A FCT – Gabinete do Espaço e os programas espaciais da ESA têm ajudado a economia portuguesa, uma vez que por cada 1€ investido se ganham 2€, estando, segundo os especialistas, no bom caminho para alcançar a média europeia: 4 a 5 € de retorno.

Além do plano de ação de observação da terra, que está em fase de conclusão e que irá a aprovar em Resolução de Conselho de Ministros no último trimeste de 2014 (permite ter uma maior noção do planeta, ajudando na gestão de desastres, riscos e situações de intervenção rápida) e de mais de 100 jovens já terem beneficiado do protocolo de estágios FCT-ESA, tem decorrido a Iniciativa Portuguesa de Transferência de tecnologia ( fundada pela ESA em parceria com a FCD), implementado no Instituto

Pedro Nunes, com o objectivo de reforçar a competitividade do sector espacial português e que de 2012 a 2014 já ajudou 9 entidades com 14 projetos, 6 demonstrações e 8 estudos de viabilidade, havendo 320.000€ de financiamento. Os 14 projetos foram desenvolvidos nos setores de: Dispositivos automóveis, Unmanned Aerial Vehicles, Logística, energias renováveis, equipamentos médicos, Indústria petrolífera e gás, Transporte Ferroviários, Agricultura de Precisão, Remediação ambiental, Aviação e Navegação aérea e Oceanos e águas territoriais.

Vê aqui alguns d0s casos de sucesso em Portugal:

03

O período de candidaturas para ESA BIC Portugal abriu no dia cinco de novembro e as empresas selecionadas deverão ser anunciadas entre fevereiro e março de 2015