Depois de quase 30 anos como colegas, o ex-diretor do El Mundo, Pedro J. Ramírez, e o atual diretor, Casimiro García-Abadillo, lançam duras críticas um ao outro, e utilizam o próprio jornal para o fazer.

Pedro J. Ramírez foi um dos quatro fundadores do jornal, a 23 de outubro de 1989 (juntamente com Alfonso de Salas, Balbino Fraga e Juan González). No inicío deste ano, foi forçado a sair por alegadas pressões políticas exercidas por elementos do Partido Popular (detentor da chefia do governo) e foi substituído por Casimiro García-Abadillo.

Após a destituição, Ramírez assinou um acordo com a Unidad Editorial para ter, durante dois anos, um escritório no piso acima da redação do jornal. O acordo inclui também o pagamento de vários milhões de euros em troca de não lançar outro meio de comunicação concorrente ao El Mundo, durante os dois anos posteriores à saída.

Segundo avança o DN, na base das acusações há “muita política à mistura”.