Em 2020, vamos ter 50 biliões de dispositivos conectados”, previu esta manhã o diretor e cofundador do SAPO, Celso Martinho, presente na 6ª Conferência Anual da ERC  (Entidade Reguladora para a Comunicação) – Media Na Era Digital, no ISCTE (Instituto Universitário de Lisboa). No seu testemunho, sobre o tema Mais Digital: na rota da Web 4.0, o diretor-geral do portal SAPO falou sobre as principais implicações desta “revolução a nível da computação física e do hardware” nos media

Depois de ter assistido à invasão da internet na vida das populações – “tive o privilégio de viver o aparecimento da internet”, disse -, Celso Martinho alertou que também o presente encontra-se em revolução tecnológica. Prova disso é a conexão de dispositivos que vai levar a que, em 2020, 50 biliões de dispositivos estejam conectados entre si, uma vez que a conexão e a interatividade são as palavras do futuro.

Ao falar do progresso tecnológico, Celso Martinho introduziu um termo já conhecido no meio da tecnologia: The Internet Of Things (A internet das coisas, numa tradução livre para português). “Há quem o confunda com o movimento emergente, mas tudo isto está relacionado”, explica o diretor-geral do SAPO, referindo que a economia global quebrou as barreiras, tornando as matérias primas e o conhecimento mais acessíveis (que permitem uma prototipagem rápida de baixo custo), assim como a logística, até porque a velocidade a que as coisas acontecem é cada vez maior.

Mas onde é que essas mudanças vão ser notadas?

Celso Martinho responde que será na área dos transportes, da energia, da educação, dos negócios e das casas inteligentes onde esta evolução e proliferação de novos conceitos tecnológicos irá ter impacto. Para já, o impacto está a ser visível no e-commerce que, segundo Celso Martinho, tem “taxas de crescimento enormes“, existindo “cada vez mais soluções para endereçar a questão dos micro-pagamentos e da aquisição de conteúdos”“Hardware é a palavra do momento em Sillicon Valley”, terminou.

ERC

Na área dos domínios de topo – os generic top-level domain, gTLDs -, Celso Martinho diz que “a internet vai passar por uma fase muito interessante”. “Vamos ter domínios mais personalizados”, afirmou, acrescentando que estes vão dar mais globalidade e notoriedade às marcas, fazendo com que os projetos se assumam como locais mas com o potencial de serem globais. “A internet é isso mesmo”, concluiu.

“Há necessidade de as empresas responderem em tempo útil às constantes mudanças”

No fim, apesar desta revolução, há uma certeza: “os conteúdos vão continuar a ter um papel fulcral nesta estrutura que está a crescer”. Mas não só. Há também conselhos para empresas que atuem no digital e que estejam a passar dificuldades: “o talento está intrinsecamente ligado ao sucesso e à capacidade de cada projeto digital se adaptar a uma caraterística natural da internet: a mudança de paradigma“, argumenta o diretor-geral do SAPO, referindo que sem este atributo, as empresas terão mais dificuldades em ter sucesso. “Há necessidade de as empresas responderem em tempo útil às constantes mudanças”, assentou.

O SAPO nasceu no centro de computação da Universidade de Aveiro através da mente de Celso Martinho e alguns colegas, que o fundaram em 1995, sendo neste momento o maior projeto português na internet.