Esta quarta feira a Microsoft revelou o nome dos nomes dos novos smartphones da marca, que seguem a linha dos Nokia Lumia, mas que se chamaram apenas Microsoft Lumia.

Esta mudança no nome dos novos telemóveis da Microsoft encerra definitivamente a história da Nokia como fabricante de telemóveis, algo já esperado. É, no entanto, sempre surpreendente como uma empresa que foi líder de mercado e apelidada pelos consumidores como sinónimo de confiança, acabou por ter um final tão amargo e inglório.

Alguns dos telemóveis mais emblemáticos da Nokia

As razões do fracasso são muitas, desde a aposta em ecrãs touch resistivos quando o resto da indústria (Apple incluída) se virou para os capacitivos, ou a tentativa de utilização do sistema operativo da Nokia, o Symbian, quando o resto da indústria adotou o sistema operativo Android.

Já se esperava o fim dos telemóveis Nokia, desde que a marca vendeu o seu departamento de comunicações moveis à Microsoft em setembro do ano passado por 7,2 mil milhões de dólares. Posteriormente, em julho, quando a Microsoft anunciou o despedimento de 18000 funcionários, 12000 destes eram funcionários vindos da Nokia.

A Nokia continuará a operar nas vertentes que não foram vendidas à Microsoft, como as infraestruturas de redes: está neste momento a montar uma rede de testes para a tecnologia 5G na Finlândia. A empresa finlandesa, fundada em 1865, teve muitas vidas antes de se dedicar às operações móveis, tendo começado por se dedicar à produção de pasta de papel.

Nokia Lumia 830, um dos últimos telemóveis da empresa

Os últimos Nokia à venda são o Nokia Lumia 735 e o Nokia Lumia 830, apresentados no mês passado.