Longe vão os tempos de camaradagem registados em In Transit, o documentário realizado aquando da tour europeia dos Strokes em 2002. Julian Casablancas confessou à Rolling Stone que já ”não sente nada” quando toca com os seus antigos colegas de banda.

“Ainda é engraçado ver a reação das pessoas”, afirma o vocalista acerca dos concertos que deu, entre maio e agosto, com Fraiture, Valensi, Hammond Jr e Moretti. “Mas será que sinto alguma coisa? Não. Há algum tempo, vi alguém cantar uma versão de uma canção qualquer do «top 40» num bar vazio; devia tê-la aprendido há dois dias. E provavelmente estava a divertir-se mais do que eu quando canto a ‘Last Nite’. Fez-me sorrir.”

Casablancas está então a aproveitar o seu novo projeto – Julian Casablancas + The Voidz – para se expressar devidamente: ”quero criar algo tão grande ou maior [que os Strokes], mas com mais significado”, concluiu.