Eu, | não sei explicar o que senti, | Como na primeira vez, encontrei o teu olhar | Nessa magia me perdi“, cantava Cid ontem à noite no terceiro dia da Festa das Latas e Imposição das Insígnias 2014. O cantor português foi o ‘tio’ dos estudantes ali presentes, caloiros e trajados.

A viagem pelos grandes hits da carreira de José Cid começou com O Último Dia na Terra, a música de entrada do seu álbum mais reconhecido internacionalmente: 10.000 Anos Depois Entre Vênus e Marte, de 1978. Porém, antes do cantor português, foi a banda Wasting Time, Vencedores do Rock Battles 2014, quem abriu o Palco Fórum Coimbra. Agir, TMUC, Quantuna e a Imperial TAFFUC tiveram o difícil trabalho de suceder José Cid, terminando assim mais uma noite da Latada’14.

Mais uma noite

Mais uma noite, diríamos nós. Mas não uma noite a mais. O relógio apontava para as 00h35 quando José Cid iniciou o concerto com O Último Dia na Terra. Por ser cedo, pelo menos para os estudantes que ainda estavam longe de chegar ao recinto, Cid começou o seu espetáculo com casa meio cheia, mas isso não foi desculpa para dar menos ao púbico presente. Pelo contrário. Cid arrancou com uma canção post rock, lançou o isco para sonoridades mais vibrantes e, como não poderia deixar de ser, passou pelos grandes hits da sua carreira que ecoaram através das vozes dos presentes, muitas vezes à acapella, para delírio do ‘nosso’ Tio Cid.

O tempo, que durante a tarde ameaçou ser de desgraça, não estragou demasiado os planos dos estudantes. Choveu miudinho por diversas vezes, mas isso não afastou ninguém do Palco Fórum Coimbra que foi ficando composto à medida que Cid rebobinava cassetes antigas. Cai neve em Nova Iorque foi o primeiro trunfo tirado da cartola que meteu os ‘sobrinhos’ de Cid a cantarolar sem parar, sendo uma daquelas músicas já enraizadas na cultura de qualquer português. “Em Lisboa deixei esse caminho. | Deixei para trás a vida cheia de loucura | Fechei a porta onde não mais quero entrar. | Ando ao acaso pelas ruas da cidade | Assobiando, mãos nos bolsos a sonhar“, e logo adaptou a canção, corrigindo o seu início para Coimbra.

Sempre sentado no seu piano e acompanhado uma banda sem falhas, José Cid foi discorrendo os seus êxitos como Madrugada na Praia Deserta até chegar a Um Grande, Grande Amor, canção que levou Cid até à Eurovisão em 1980. Numa longa versão, sem dúvida que esta foi a canção da noite com o mais hype, sendo também a mais conhecida do cantor português. Mas o adeus, esse, estava longe de chegar. A noite ainda era uma criança.

E era mesmo uma criança que viria a nascer: neste caso, uma nova canção. Neste seu concerto em Coimbra na Festa das Latas e Imposição das Insígnias 2014, José Cid revelou um novo tema que fará parte do seu novo álbum “que estará cá fora dentro de dois meses“: Menino Prodígio. “Adoro-vos, caloiros e caloiras“, repetiu sem cessar este ‘nosso’ Tio Cid.

Como o Macaco Gosta de Banana continuou o lote de êxitos que Cid meteu para sempre na memória cultural de Portugal, mas foi 20 Anos que rivalizou com Um Grande, Grande Amor o título de hype da noite. Aquela que é uma canção que nos deixa entre a melancolia e a alegria, levou os estudantes a ficar sem voz naquele épico “vem viver a vida amor“: “Que o tempo que passou não volta não | Sonhos que o tempo apagou | Mas para nós ficou esta canção” – essa ficará para sempre, nas nossas memórias, como este concerto onde José Cid se entregou por completo ao público.

Depois de apresentar a sua banda, e de brincar com o nome de um elemento da sua banda (Samuel, com Somewhere Over The Rainbow), foi a vez de recordar o Dia em que o Rei fez anos. E chegara também um outro dia: Mais um dia. Rivalizando com 20 Anos e Um Grande, Grande Amor o título, Mais um dia foi a gota de água: era certo que este tinha sido o melhor concerto da tour, garantiu José Cid. Já na reta final, desdobrou-se em agradecimentos, introduziu o sobrinho ao público, e deixou a certeza que o “sonho comanda a vida“. “Coimbra é a cidade mais linda”, gritou. O ponto final vinha em forma de música, mais uma épica por sinal. E a festa nunca mais parou até às 6h00 da manhã: