A Festa do Cinema Francês continua e começámos a semana de trabalho com férias. As Férias do Menino Nicolau, ou, na versão francesa, Les Vacances du Petit Nicolas, é um filme sobre as primeiras férias na praia de Nicolas (Mathéo Boisselier) e a sua animada família. 

O verão chegou, Paris esvazia-se lentamente e começa o dilema entre montanha e praia. Nos últimos anos, ganhou sempre a montanha, mas desta vez a insistência do pai (Kad Merad) do nosso pequeno protagonista em ir para o mar, venceu. Um casamento em problemas, uma sogra mal disposta (Dominique Lavanant) e uma criança cheia de vontade de novas aventuras. Tudo pronto para umas férias cheias de peripécias e uma comédia clássica.

Um filme que parece ser feito com olhar de criança. Uma caricatura perfeita dos anos 60, das suas cores e de personagens adoravelmente caricatas e exageradas. E a história é também ela infantil, simples e sem grande metafísica. Faz sentido que assim seja. E estamos perante uma viagem no tempo bem sucedida.

infantil

A trama é constituída por um conjunto de sketches e situações rápidas, o que lhe proporciona um ritmo acelerado e nos mantém sempre interessados nos próximos acontecimentos. Entre muitas pinceladas de alegria, servem-se ainda nostalgia, suspense e romance inocente q.b., numa miscelânea que faz deste um filme familiar por excelência. As gargalhadas são muitas, e os sorrisos de ternura também. O elenco é extremamente convincente na interpretação dos papéis, sendo que o carisma do elenco infantil é um grande ponto positivo da película.

Kad Merad tem para si alguns dos momentos mais cómicos do filme, como a inenarrável competição de ruídos para tentar fazer Mémé (a sogra) deixar de ressonar, as questões existenciais em torno de um postal para enviar ao seu chefe e ainda as aventuras e desventuras para evitar a entrega de correspondência errada. É sem dúvida um dos nomes mais importantes do atual cinema francês e confirma o porquê, como aliás já tinha feito em Bienvenue Chez Les Ch’tis (2008) ou Supercondriaque (2013), só para dar exemplos recentes.

Muitas vezes lembra-nos Moonrise Kingdom, em versão low-cost e menos complexa, mas as referências cinematográficas são várias e facilmente identificáveis. E isso enriquece ainda mais um filme que, tendo uma narrativa simples e rápida, nos mantém satisfeitos do início ao fim. Não spoilamos todos os episódios da história, porque vale a pena é ver com surpresa cada um dos acontecimentos improváveis que a compõem. Não resistimos, no entanto, a adiantar que a mãe (Valérie Demercier) pode ser estrela num filme dentro do filme, o que leva a uma improvável e bem coordenada sequência de dança.

Este filme é uma sequela de Le Petit Nicolas, lançado em 2009 e baseado no livro Les Vacances du Petit Nicolas, de René Goscinny e Jean-Jacques Sempé, mas vive bem sozinho. O cinema francês está diferente, mas continua bom.

8/10

Ficha Técnica
Título: Les Vacances Du Petit Nicolas
Realizador: Laurent Tirard 
Argumento: Laurent Tirard e Grégoire Vigneron, com base numa ideia de René Goscinny e Jean-Jacques Sempé
Elenco: Valérie Demercier, Kad Merad, Mathéo Boisselier, Erja Malatier, Dominique Lavanant
Género: Comédia
Duração: 97 minutos