Mensalmente o Espalha-Factos irá passar a dar destaque um autor. Numa rubrica intitulada ‘Autor do Mês’, serão publicados durante o mês, artigos relacionados com o escritor escolhido. Outubro é o mês de Filipe Faria, um jovem escritor cujo interesse por Tolkien o levou a escrever várias obras, entre as quais a saga literária As Crónicas de Allaryia.

Filipe Faria nasceu a 11 de fevereiro de 1982 em Lisboa. Depois de ter frequentado a Academia de Sta. Cecília durante um ano, entrou para a Escola Alemã de Lisboa, onde permaneceu até ao 12º ano. O contacto com uma cultura tão diferente da nossa fê-lo despertar uma visão das coisas tão peculiar como o ambiente onde se viu inserido.

O gosto pela literatura fantástica começou muito cedo. Os primeiros apontamentos daquele que iria ser o seu primeiro livro começaram a ser elaborados aos 12 anos, e o interesse profundo pela Idade Média ajudou a cultivar essa paixão. Paixão essa que aumentou exponencialmente quando, no 8º ano, descobriu na biblioteca da escola a Tolkien Bestiary. Desde então, Tolkien foi a sua maior inspiração e a sua maior referência.

Foi aos 16 anos que, alimentado pelas séries, filmes, videojogos, livros, documentários, desenhos animados, entre outros, começou a esboçar as primeiras linhas do seu primeiro livro impresso que, com o passar do tempo, se tornou num volume com mais de 600 páginas, ao qual deu o nome de A Manopla de Karasthan. Em novembro de 2001 esse seu primeiro livro valeu-lhe o prémio Branquinho da Fonseca, organizado pela fundação Calouste Gulbenkian e o jornal Expresso.

A partir daí, seguiram-se os volumes seguintes de uma saga fantástica conhecida por As Crónicas de Allaryia, editados pela Editorial Presença. O sucesso desta coleção valeu-lhe outros projetos como a elaboração de Leopoldina e a Ordem das Asas, O Barão foi para o boneco e Talismã. Como projetos pessoais, lançou até agora dois volumes da série Felizes Viveram Uma Vez, intitulados O Perraultimato e O Andersenal.

Filipe Faria completou três anos de Licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas. Foi nessa altura que se apercebeu que já percorria o caminho que tinha escolhido para a vida. Poderás ficar a saber mais sobre o Filipe através do seu blogue pessoal.