Pangeia, espetáculo que nasceu da junção de comunidades artísticas do Brasil, da Galiza e de Portugal, tem data de estreia marcada para a próxima quinta-feira, 9 de Outubro, no Centro Cultural Malaposta, em Odivelas.

Sete atores, bailarinos e músicos sob direção de Bárbara Aguiar e Fran Núñez procuram falar do homem, da terra e da Humanidade na Terra através de um olhar contemporâneo e interdisciplinar: unem-se o teatro, a dança, a música, a cozinha, a língua e a linguagem de forma a representar uma Pangeia sempre renovada e em permanente movimento e transferência.

”A Pangeia é a história da terra, a história da humanidade, a nossa própria história. Pangeia é separar-se para voltar a encontrar-se, noutro lugar, de outro modo, noutro tempo, como as placas tectónicas na deriva continental.  No início ficaram juntas e no fim juntas vão ficar. A Pangeia é crise, movimento, mudança. É início. É fim.”

Um espetáculo que se procura encaixar em espaços menos convencionais e com já cerca de 20 apresentações agendadas por três continentes, nasce do cruzamento de Limiar Teatro (Galiza) e Acaso dança (Brasil), em co-produção com o Centro Dramático GalegoCDG, a Associação de produtores do Pernambuco APACEPE, o Festival Janeiro de Grandes Espetáculos de Recife, o Centro Cultural Malaposta de Odivelas AM -Lisboa, com a colaboração das residências artísticas Gerarte de Viana do Castelo (Portugal),Casa Colorida de Nigrán (Galiza), Centro Cultural Nautilus de Vigo e com o apoio da Câmara Municipal de Gondomar (Galiza).

Os espetáculos de 9 a 24 de Outubro, às Quintas e Sextas-Feiras no Café-Teatro do Centro Cultural Malaposta têm o preço único de 7,50€, a duração de 80 minutos e são para maiores de 16 anos.