Avizinha-se o regresso de Homeland para uma quarta temporada, uma nova etapa encarada com tanta curiosidade como desconfiança por parte dos espectadores. Sucederam-se os comentários de que a série deveria ter terminado em dezembro passado, dado o quase encerramento da sua linha narrativa original. Homeland enfrenta por isso um período complicado, não sendo já o hit do momento.

A quarta season começará com um reset para nós e para a própria Carrie Mathison, relocalizada em Istambul (como chefe da estação CIA local) e em campo no Paquistão. Contará com o auxílio de Saul e de Sandy Bachman (Corey Stoll), um novo colega de trabalho. Um ataque com drones mal direcionado por parte da agência de segurança estadunidense desencadeará os acontecimentos. Carrie terá ainda de lidar com um novo desafio: ser mãe, um “cargo” cujo cumprimento hesitará, muito pela dor latente da morte de Nicholas Brody, que vem reforçar a sua obsessão pelo trabalho.

Antes disso, é altura de relembrar os principais acontecimentos da terceira temporada. Depois do atentado terrorista – articulado pelos apoiantes de Abu Nazir – ao quartel general  da CIA em Langley, Carrie e Brody veem-se em situações delicadas. A primeira é acusada de negligência e vê o seu nome atirado à lama pelo próprio Saul, frente ao Comité do Senado. Não só perde o emprego como é internada numa clínica de psiquiatria, sob o pretexto do seu transtorno bipolar ter facilitado o atentado. Brody é tomado como o bombista e escapa para a América Latina, culminando em Caracas, Venezuela. Aí, após ser tratado por dois tiros no abdómen, é feito prisioneiro e vicia-se em heroína. Tudo enquanto a família se procura libertar da mágoa e preconceito inerentes à sua fama de criminoso.

Descobrimos então que as acusações de Saul a Carrie (que entretanto descobre estar grávida de Brody)  foram um disfarce acordado para um estratagema secreto. O plano consistia em atrair Majid Javadi (financiador do ataque em Langley; oficial das forças de inteligência iranianas) até Carrie (nos EUA) e é bem sucedido. Vítima de chantagem, Javadi aceita colaborar com a CIA.

Homeland

Numa outra surpresa, ficamos a saber que tinha sido Saul a ordenar o aprisionamento de Brody e que pretende usar o antigo fuzileiro naval no plano Javadi. Este é então resgatado, desintoxicado e reabilitado fisicamente (após muitas dificuldades e desmotivação) com o objetivo de seguir para o Irão. Lá, aproveitando-se da sua reputação como o bombista de Langley, deveria aproximar-se de Danesh Akbari, chefe da Guarda Revolucionária, com o intuito de o assassinar. Javadi, nessa altura já no Irão, seria um forte candidato a tomar o seu lugar e a CIA ganharia um infiltrado no comando do inimigo. No seguimento de vários twists em modo ping-pong, Brody consegue o que lhe foi pedido. Capturado pela Guarda Revolucionária, acaba executado publicamente perante o desgosto insaciável de Carrie.

Quatro meses depois, Lockhart (o novo diretor da CIA) convida-a para comandar as operações da agência em Istambul. A protagonista decide não abortar, mas planeia disponibilizar o seu bebé para adopção, sendo criticada pelo pai e pela irmã. Saul, por sua vez, passa a trabalhar no setor privado.

Homeland Hanging

Homeland volta à programação da Showtime com um episódio duplo no dia 5 de outubro para mais uma temporada de 12 capítulos. O Espalha-Factos irá acompanhar a série com reviews semanais.