Chicago declarou oficialmente o dia 23 de setembro como o Dia David Bowie. No dia em que o Museu de Arte Contemporânea recebe a exposição David Bowie is…. Juntamo-nos às comemorações e contamos em cinco temas porque é que o “camaleão” é tão especial.

David Bowie terá um dia só seu na cidade americana do estado de Illinois, onde inaugura hoje a exposição que mostra o homem e o artista para além do músico e nos põe a pensar “afinal quem é David Bowie?“. Inovador na moda, nos cenários, no design das próprias capas dos discos e, claro, na música, David Bowie justifica todos os epítetos que lhe têm sido atribuídos.

Olhámos para a obra de “Ziggy Stardust” e escolhemos dez canções que fazem dele “um ícone mundial“, como referiu o Mayor de Chicago.

Space Oddity
Space Oddity, 1969

Bowie tinha apenas 22 anos e o Homem acabara de pisar a Lua. Esta é uma das suas melhores músicas de sempre e serviu de foguetão para a carreira que o génio começava aqui a desenhar.

 http://youtu.be/D67kmFzSh_o

Ziggy Stardust
The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars
, 1972

Um dos álbuns mais marcantes de Bowie traz-nos uma música carregada de peso ao transformar-se na própria entidade do artista que declarou à Rolling Stone que na escrita deste disco não percebeu se ele e os personagens eram um só.

Rebel, Rebel
Diamond Drugs
, 1974

Um riff de guitarra histórico tocado pelo próprio Bowie e uma clara influência de 1984 de Orwell fazem desta uma canção dura e suja que denuncia a realidade e lançou Bowie numa tour memorável que demarcou definitivamente o artista para além do músico.

Heroes
Heroes, 1977

Parte da chamada Trilogia de Berlim, lançou Bowie numa descoberta pelos sons alemães que estavam a despontar. Iniciou aqui uma longa relação musical com Brian Eno, que coescreveu e produziu o disco e conta a história de amantes que se situam nos dois lados opostos do Muro.

Let’s dance
Let’s Dance
, 1983

Bowie deixa-se imbuir do espírito dos eighties e compõe um autêntico hino da década mas também da juventude com este tema mais funk, produzido por Nile Rodgers, dos Chic.

Em apenas cinco canções não se resume uma carreira, muito menos uma vida carregada de experiências, mas estes cinco temas são parte do ADN de Bowie cuja passagem por este planeta ao qual ele por vezes não pertence continua a ser notória. No próximo mês de novembro será editada a coletânea Nothing Has Changed, que traz um novo tema, Sue (Or In A Season Of Crime).