O vencedor do prémio para Melhor Filme Português no IndieLisboa 2014 é finalmente distribuído no circuito comercial nacional. Alentejo, Alentejo é uma fascinante viagem à região portuguesa a sul do Tejo que vai apaixonar qualquer um pelo Cante Alentejano.

Realizado por Sérgio Tréfaut, este é um documentário que, através de muitas entrevistas e números musicais, conta um pouco da história do Cante Alentejano e da forma como este continua a ser um verdadeiro hino da região, ainda cantado pelos mais velhos mas também adotado pelos mais jovens e que foi além das fronteiras que delimitam o Alentejo.

Passando por tabernas, escolas e casas de alguns habitantes, Alentejo, Alentejo conta com um punhado de grandes entrevistas e histórias, bem como alguns episódios bastante interessantes que capta com as suas câmaras. O primeiro destes episódios é-nos mostrado logo nos minutos iniciais, quando um dos grupos de cantores do Alentejo ruma até Lisboa para o Grande Piquenique no Terreiro do Paço. Aí começam a atuar perante algum público interessado, mas o barulho das restantes pessoas e até dos speakers do evento impossibilitam que se oiça perfeitamente as canções entoadas pelo conjunto. É um momento que revolta não só os próprios cantores como também o público.

Ao longo da mais de hora e meia de filme são vários os segmentos que não deixam ninguém indiferente. A entrevista a uma idosa em sua casa, por exemplo, é um retrato incrível da pobreza que se vivia em Portugal há muitos anos atrás. E é aí que Tréfaut começa a estabelecer a relação entre o Cante Alentejano e a vida dos habitantes da região. Numa época de pobreza extrema, onde as crianças ainda jovens iam logo trabalhar arduamente, as pessoas iam conseguindo distrair-se e alegrar-se cantando. Ainda hoje esta forma de expressão de um povo (que apresentou recentemente uma candidatura a Património Cultural e Imaterial da Humanidade da UNESCO) continua a ter um papel muito importante para aproximar gerações, que se juntam à mesa de uma taberna para cantar.

Mas se o documentário apresenta histórias sobre o passado, não deixa de parte uma visão sobre os dias de hoje. As passagens por algumas escolas, não só do Alentejo mais também da Damaia, mostram o panorama nacional que se vive atualmente. Filmando várias crianças, que respondem não a perguntas do realizador mas sim da própria professora, o filme demonstra através destes jovens testemunhos sobre a onda de emigração que se vive e a forma como se trabalha a sul do Tejo. Vários são os miúdos cujos familiares saíram do país em busca de uma nova vida, e os que ainda têm os pais, tios e avós em Portugal contam que todos (ou quase todos) têm ainda empregos muito rurais e regionais, como trabalhos em quintas e minas.

As melhores cenas, mesmo assim, são aquelas onde Tréfaut filma as atuações de alguns cantores sobre um fundo negro. É verdade que é a parte menos documental da sua obra, pois são encenadas, mas são absolutamente deliciosas por várias razões. Uma delas é a preparação delas mesmas, onde vemos os intérpretes a vestirem as suas vestes tipicamente alentejanas transformando uma simples camisa branca num verdadeiro traje regional. Logo a seguir começam a cantar temas tradicionais do Cante Alentejano e alguns sobre a crise que se vive em Portugal, feitos de propósito para o documentário. E a forma como o realizador divide os segmentos da sua fita com estas performances é excelente, escolhendo os temas a dedo que enfatizam o que acabámos de ver através de canções incrivelmente bem entoadas.

Passam assim a voar os 98 minutos de Alentejo, Alentejo, um retrato imperdível recheado de testemunhos cativantes de várias gerações que fazem deste documentário um dos melhores alguma vez feitos em Portugal, mostrando a vida e dificuldades daqueles que dedicam o seu tempo a um hino de uma região e de um povo. Saímos da sala deslumbrados pelo Cante Alentejano e com a ideia que é cantada na música final: “É tão grande o Alentejo“.

9/10

Ficha Técnica:

Título: Alentejo, Alentejo

Realizador: Sérgio Tréfaut

Argumento: Sérgio Tréfaut

Género: Documentário

Duração: 98 minutos