Setembro chegou e com ele a vida universitária voltou. Mais uma vez o Espalha-Factos dá-te a conhecer algumas das cidades universitárias do país, ajudando a tua procura e descoberta.  É assim que, pela primeira vez, surge Beja nesta já habitual rubrica, numa tentativa de te mostrar aquilo que o Alentejo tem para te oferecer!

Capital do maior distrito do país, Beja conta com uns ‘poucos mas bons’ 25 mil habitantes na sua área urbana. Localizada na vasta e bela planície alentejana, o seu clima quente e mediterrânico é uma imagem de marca, quase tão famosa quanto os alentejanos em si, este povo estereotipado que faz parte de grande parte das nossas anedotas. Apesar de tudo o que possam dizer, se estudar em Beja é o teu próximo passo não te irás arrepender. A primeira coisa a fazeres é mesmo continuares a ler e descobrires os melhores sítios para visitar e trincar.

10 sítios a visitar

1. Parque da Cidade Se Beja é o sítio eleito, então é certo que o Parque será um sítio onde darás por ti a passar muito tempo, quiçá demasiado. Com um passado ainda muito recente, é aqui que vais encontrar pessoas dos 8 aos 80, quer seja a brincar no famoso ‘aranhiço’, a tentar não cair no skate park, a comer um gelado na esplanada ou a dar um passeio relaxado entre o jardim. É aqui que vais poder encontrar tranquilidade e fugir do ar menos puro da cidade!

beja_parque

2. Castelo de Beja Como diz a velha frase, um bom bejense é aquele que não consegue passar muito tempo “sem ver ao longe a torre do castelo“. Temos a torre de menagem mais alta da Europa e orgulhamo-nos disso. Não podes deixar escapar a vista arrebatadora do cimo da torre e muito menos ir embora sem ver as redondezas. Além disso, o castelo é muitas vezes palco de eventos e festas às quais, como bom universitário que vais ser, nunca vais querer faltar.

3. Museu Rainha Dona Leonor – Talvez aquele a que podemos chamar o nosso principal monumento, o antigo convento convertido a museu foi o palco da famosa história de amor da freira Mariana Alcoforado que se perdeu de amores por um oficial francês com quem trocou longas cartas, ainda hoje conhecidas. Tira uma pausa da tua agitada vida social e dedica uma tarde à cultura e não à arte da cerveja e do tremoço, visitando e aprendendo com cada recanto do monumento.

beja2

4. Portas de Mértola – O coração de Beja ou a nossa modesta versão da Baixa-Chiado. É aqui que vais poder fazer as tuas compras, aproveita a Mango, que não terás muitas mais opções, encontrar os teus amigos, beber uma bebida num dos muitos cafés (alguns dos quais podes encontrar na lista seguinte) e ter sempre o ponto chave para ires rapidamente a qualquer canto da cidade.

5. Pisões Apesar de ser a alguns quilómetros da cidade (menos de 10), as ruínas romanas de pisões são uma paragem obrigatória, principalmente para quem apenas conhece o povo romano através do Astérix. Apesar do descuido e da infeliz falta de tratamento deste espaço, tens a oportunidade de ver o que ficou para trás de uma antiga ‘cidade’, que data de I A.C.

6. Circuito de Manutenção – Se pensas que os alentejanos só sabem dormir à sombra do seu chaparro, então desengana-te! De manhã cedo à noite cerrada, o circuito de manutenção da cidade nunca está desocupado e é o sitio perfeito para fazeres a tua corridinha habitual. Equipado com um conjunto de máquinas ao longo do percurso,  uma boa parte do mesmo passa pela mata da cidade, onde podes respirar o ar puro das árvores enquanto tentas não perder o teu próprio ar.

7. Praça da República e Igreja da Misericórdia – O verdadeiro centro administrativo de Beja (menos chique do que parece) é muitas vezes o ponto de encontro da população, seja para uma cartada ou para uma saída nocturna. Caracterizado pela tão típica calma alentejana, é várias vezes palco de feiras e eventos que lhe conferem uma animação sem igual.  Como não podia deixar de ser, a componente cultural é também aqui evidente, com o Pelourinho, as Arcadas e a Igreja que datam ao reinado de D. Manuel no séc. XVI.

beja3

8. Cine-Teatro Pax Júlia – Numa homenagem ao antiga nome da cidade, o Pax Julia é o fórum onde todos os meses tens uma programação vasta de peças, bailados, filmes, revistas e concertos, perfeito para os verdadeiros amantes das artes. É apenas somar isso à bonita arquitetura do teatro e podes usufruir do pack completo.

9. Pousada de São Francisco – Caso não estejas disposto a abrir os cordões à bolsa e a comer atum durante uma semana, a pousada será o sitio ideal para visitares e não para passares uns dias. Vinda também de um antigo convento, é muito mais do que um simples hotel. Ainda que sofredora de variadíssimas remodelações, a sua arquitectura remonta ao séc XIII, com os seus detalhes religiosos e góticos, e as suas paredes estão geralmente recheadas de exposições de arte contemporâneas cuja visualização vale muito a pena.

10. Planície Alentejana Era impossível acabar esta lista sem o que de melhor o Alentejo tem para te oferecer: a paisagem. Podemos não ser a Grande Lisboa nem ter o espírito inigualável da académica Coimbra, mas estudar em Beja vai trazer-te uma proximidade com o campo e com a sua beleza que nenhuma dessas cidades pode imitar. Depois de dias stressantes de trabalhos, exames e obrigações sem fim experimenta afastares-te da confusão e vagueares pela planície sem destino algum, ouvindo nada mais que aqueles sons naturais que julgavas encontrar apenas no youtube. A tua cabeça vai agradecer… e a sanidade mental que andavas a perder também.

alentejo

10 sítios para beber e trincar

1. Café-Restaurante Luiz da Rocha “Fundado em 1893”, é esta a frase que acompanha o nome do mais famoso dos cafés em Beja e que, quase por si só, o define sem mais palavras. Acompanhado de restaurante e já com duas lojas na cidade, é uma verdadeira marca na doçaria bejense. Os Porquinhos de Doce, as Queijadas, as Empadas e as Trouxas d’Ovos são as grandes especialidades, mas o seu verdadeiro encanto está no ambiente que se vive, nas conversas agitadas trocadas pelos mais velhos que aí se juntam para trocar os seus palpites sobre o ‘estado deste país’ e a reviver os seus velhos tempos. O Luiz da Rocha vai provocar em ti uma nostalgia de tempos antigos que, pensando bem, nunca chegaste a viver.

luizrocha

2. Cais da Planície – Se já ficaste com o ‘bichinho atrás da orelha’ em relação ao Parque da Cidade, o café que lá podes encontrar vai aguçar ainda mais a tua curiosidade! Não conhecido pela sua rapidez de serviço grande parte das vezes (nada é perfeito), qualquer falha pode ser suprimida pela possibilidade de comer uma das famosas tostas tamanho XXL (sem qualquer tipo de eufemismo) e de beber um dos deliciosos batidos enquanto se saboreia o sol a bater no lago que rodeia a esplanada. Parece perfeito, não parece? Errado, é ainda melhor.

3. Pizzaria Milano – Um bom estudante vive a sua vida em busca constante de restaurantes low cost. Como tal, um bom estudante bejense vive a sua vida dentro da Pizzaria Milano. Se achas que não é possível aliar comida deliciosa, com doses gigantes e a preços muito acessíveis então o teu mundo vai mudar. Aqui, a própria meia-dose é capaz de alimentar duas pessoas, tornando assim muito fácil dividir um prato e (mais importante) o valor da conta. As pizzas e massas são mais do que aconselháveis (sem querer deixar de fora o resto da ementa) e é sempre bom chegar uns minutos antes, porque o risco de estar cheio é geralmente elevado!

4. Adega Típica de 25 de Abril – Haverá algo mais típico que um restaurante de nome “adega típica”? Um sítio rústico com decorações de motivo agrícola (é de reparar nas alfaias e nos cestos de vime), os seus pratos são representativos de um Portugal regional adorado pelo povo. Também os preços são ‘amigos’ , rodando uma média de 15€, que não faz jus aos saborosos pratos de carne ou ao atendimento rápido e caloroso. Esta pequena adega que homenageia a revolução é nada mais que o Alentejano entre quatro paredes, com um pouco de sabor à mistura.

5. Maltesinhas – Se achas que estes sítios já te deixaram com água na boca, respira fundo e prepara-te para seres apresentado às ‘Maltesinhas’, uma doçaria conventual de fazer roncar a barriga só com um simples olhar. Com um ar sofisticado e uma excelente localização no centro da cidade, a também casa de chá está sempre bem frequentada, quer seja em pessoas ou em especialidades. A sua vitrine recheadíssima de opções de ótimo aspecto (e de preços variados) promete fazer jus à frase que acompanha as embalagens: “Quem lhes conhece o nome chama-os ao seu gosto. Quem os provou conhece os requintes dos sabores. Casa de Chá Maltesinhas, a memória conventual dos doces que agora chegam aos céus da boca.”

6. Harthor’s + Country – Eis a dupla que irá fazer muitas das tuas noites. Situados lado a lado, o Country é o sítio perfeito para começares a noite. Com uma música agradável, bom ambiente e, mais importante, bebidas baratas, podes optar por passar uma noite relaxada e descontraída com os teus amigos. Se, por outro lado, you’re in the mood for a dance, prepara no Country o teu aquecimento e salta para a discoteca Harthor’s para um passinho de dança. Com várias pistas de diferentes variedades musicais, esperam-te noites intermináveis seguidas de manhãs… indesejáveis.

7. Tennis Courts Club – Não te deixes enganar pelo nome, porque nem tudo é o que parece. Bem, talvez seja um pouco uma vez que estamos efectivamente perante um campo de ténis, mas acompanhado de um Café/Restaurante cada vez mais popular. A sua principal caraterística é o ambiente descontraído e muito jovem, onde predominam as típicas conversas de amigos, as cartadas, os jogos de setas e os risos e a diversão. Somando a isso estão os jantares de grupo, com bebida à descrição, boa comida e bons preços. Há como não visitar?

8. Vovó Joaquina – Mais do que um excelente músico, o vocalista Jorge Benvinda do grupo Virgem Suta é o feliz (e esperemos orgulhoso) proprietário deste restaurante e do estabelecimento que se segue na lista. Se estás longe de casa e tens saudades da casa da avó, com aquele ar antigo, o cheiro característico, as iguarias que só ela sabe fazer… é este o sitío onde te deves aventurar. Muito mais do que a comida, típica de um bom restaurante alentejano, o sítio apaixona pela própria decoração completamente inesperada. Num estilo só possível de descrever como ‘vintage’, o ambiente faz-nos viajar para um novo mundo, um mundo onde o estereótipo da casinha da avó, no meio da aldeia, com a sua cozinha velha e tradicional é bem real e palpável.  Ainda que os preços (apesar de não muito elevados) possam ser demasiado para a carteira de um estudante, é imprescindível uma passagem apenas para observar e aquecer o coração.

joaquina

9. Galeria do Desassossego Também propriedade de Jorge Benvinda e adaptada de uma antiga taberna, a Galeria é tudo e muito mais num só espaço. Tal como acontece com muitos outros restaurantes, aqui os petiscos alentejanos são uma constante; no entanto, não deves assumir que se trata de mais um restaurante tradicional. Mil e um pratos das mais variadas culturas e sítios do mundo cobrem igualmente a ementa (o exemplo dos Gyros, bifes da Grécia e dos pratos picantes do Médio Oriente) conferindo a este sitío uma harmonia diferente, fazendo-te esquecer que estás apenas em pleno Alentejo. E se quem para lá se desloca considera que a expressão “desassossego” surge do mero acaso ficará agradavelmente surpreendido com as exposições, os espetáculos de música ou os teatros. O ritmo aqui é verdadeiramente imparável e a imprevisibilidade e criatividade são os verdadeiros reis.

10. Guitar Riffs Café Concerto – Por último mas não em último está o Guitar Riffs, um café portador de um conceito inovador na cidade. Funcionando como escola de música durante o dia, a partir do fim da tarde sofre uma metamorfose e funciona como um bar que nunca perde o encanto e a dedicação à música. Se sabes tocar ou tens ouvido para certos instrumentos podes simplesmente pedir um dos muitos que se encontram disponíveis e fazeres um mini-concerto. Desta forma, o Riffs está longe de ser um bar soturno e aborrecido, nunca faltando animação e bons sons. Para melhorar, localiza-se no centro histórico e faz uso disso, existindo duas esplanadas instaladas numa das muralhas do castelo, onde o conforto se faz aliado da paisagem e a boa vibe se une à tua boa-disposição.

riffs

Somando a tudo isto não há como esquecer a fundamental Ovibeja! Todos os anos, situada algures entre abril e maio, é provavelmente o acontecimento de maior dimensão da cidade. Uma feira agrícola durante o dia, é durante a noite o atrativo para todos os jovens com os concertos diários e a famosa zona dos bares, onde as OviNoites acontecem e os OviCopos são a tradição.

Texto: Beatriz Reis