Russell Edwards, um detective amador, uniu-se ao biólogo molecular Jari Louhelainen na tentativa de desvendar a identidade do famoso Jack, o Estripador, um famoso assassino em série que matou pelo menos cinco prostitutas no distrito londrino de Whitechapel, no outono de 1888.

Segundo o novo livro de Edwards, Naming Jack the Ripper, o assassino terá sido Aaron Kosminski, um barbeiro de origem judia que teria cerca de 23 anos na altura. O barbeiro chegou a Inglaterra em 1881 com a sua família, fugindo das autoridades russas, morrendo mais tarde num asilo com gangrena.

A teoria surgiu no seguimento da análise de um xaile de Catherine Eddowes, uma das vítimas de Jack. O objecto foi obtido por Edwards num leilão em 2007, o qual encarregou Louhelainen de conduzir um teste de ADN no mesmo.

Apesar de Kosminski sempre ter sido um dos principais suspeitos no caso, vários cientistas acreditam que o xaile é uma prova pouco convincente, já que um objecto tão antigo provavelmente tem o ADN de inúmeras pessoas.

Na lista de suspeitos, constam outras entidades como o neto da rainha Victoria, o príncipe Albert Victor, o ex-primeiro ministro William Gladstone e o pintor pós impressionista Walter Sickert.