Até ao dia 31 de outubro está a decorrer a 7ª Bienal Internacional de Gravura do Douro, com 1200 gravuras de 530 artistas distribuídas por 14 exposições nas localidades de Alijó, Favaios, Lamego, Peso da Régua, Sabrosa, Salzedas, Ucanha, Vila Nova de Foz Côa e Vila Real.

A Bienal mostra um pouco dos cinco continentes e pretende homenagear Bartolomeu Cid dos Santos, um dos artistas que mais se destacou na gravura portuguesa no século XX. Em exposição estão obras de mais de 71 países, de artistas como Tomiyuki Sakuta [Museu do Côa], Michael Besant [Mosteiro de Salzedas], António Canau [Biblioteca Municipal de Alijó] e Herman Noordermeer [Auditório Municipal de Alijó].

Esta bienal é organizada pelo Núcleo de Gravura de Alijó e está sob a curadoria de Nuno Canelas. sendo a entrada 

Para além de gravuras, a Bienal possui uma galeria para as artes digitais, assim como conferências e um workshop de gravura não tóxica lecionado por Fernando Santigo, artista porto-riquenho. A entrada na Bienal é gratuita com exceção do Museu do Côa, de Lamego e do Mosteiro de Salzedas.