Funnymaton

Humor e fotografia analógica juntos no palco do Teatro Turim

Pedro Luzindro e João Troviscal trazem o humor e a fotografia analógica ao palco de 11 a 27 de setembro, às 21h30, em Benfica, no Teatro Turim. Funnymaton, assim se chama o espetáculo, pretende “concretizar, em palco, uma fusão entre comédia e fotografia analógica“, refere Troviscal em comunicado de imprensa. 

Tudo começa no seio da plateia onde uma máquina fotográfica flutua pelas mãos do público “que a utilizará para tirar as fotografias que entender, no espírito do momento“. Troviscal explica o resto do conceito: “Quando o rolo estiver completo, procede-se à revelação do mesmo em cima do palco (usando os maios tradicionais). Após finalizado o processo de revelação, seleciona-se um dos negativos para fazer uma ampliação dessa fotografia (utilizando um ampliador e papel fotossensível)“.

Simultaneamente, os dois atores preenchem o palco com a voz que poderá ir da ficção ao stand-up, passando por reflexões mais profundas, a improvisação ou o mundo extenso da fotografia. O produto final, esse será sempre diferente: no final, a fotografia em papel depende do que acontecer no espetáculo.

Funnymaton é assinado pela produtora Abrenúncio!.

Funnymaton

Sinopse:

Dois atores, indecisos entre serem contadores de histórias ou encarnarem o ideal romântico do cientista, navegam um palco que ora é um miradouro para mundos fixados em nitrato de prata, ora é um rocambolesco laboratório, saturado pelos cheiros ativos dos banhos químicos que descansam em tabuleiros. Independentemente dos papéis que encarnarem, uma missão urge realizar em contra-relógio: qual alquimia ao vivo (como diriam os Dire Straits), os intérpretes terão de tirar, revelar e ampliar uma fotografia até ao final do espetáculo, contando apenas com tecnologia analógica e com a inestimável colaboração do público. Todo este processo será acompanhado por caricatos retratos narrativos e por reflexões sobre a arte da fotografia.

Mais Artigos
mortal kombat
Crítica. ‘Mortal Kombat’ é uma dose de violência gratuita, mas entusiasmante