A rubrica A Recordar, iniciada em 2012, está de volta ao Espalha-Factos. Vamos voltar a relembrar atores e atrizes que tenham marcado a sua época, mas que caíram em esquecimento ou não foram suficientemente reconhecidos. Percorreremos atores de diversas décadas, até à atualidade. Falaremos da sua vida, carreira, papéis mais icónicos e do legado que deixaram.

Esta semana o Espalha-Factos escolheu Richard Harris, o primeiro Dumbledore da saga Harry Potter. Relembraremos este que foi o seu último papel como ator, entre outros, ausentes de um reconhecimento equivalente.

Richard Harris, irlandês nascido a 1 de Outubro de 1930, estreou-se em palco em 1956 com The Quare Fellow. Frequentava então o primeiro ano na London Academy of Music and Dramatic Art, onde estudava interpretação. A estreia valeu-lhe renome na geração de jovens atores britânicos de teatro da época, lista onde estavam incluídos outros nomes como Albert Finney. Mas antes de enveredar pela carreira artista, Harris passou pelo desporto – nomeadamente pelo rugby -, opção que teve de eliminar por ter adoecido gravemente. Esta situação levou-o a optar por direção cinematográfica, mas a maior disponibilidade para cursos de representação endereçou-o para a carreira de ator.

Depois da estreia na representação através do teatro, teve a possibilidade de “pisar” o grande ecrã pela primeira vez com Alive and Kicking (1959). Continuou a participar em diversos filmes como Os Canhões de Navarone e Revolta na Bounty, ao lado de Marlon Brando, onde mostrou ter qualidade para representar ao lado de estrelas da época como este.

mutiny on the bountyMarlon Brando e Richard Harris em Revolta na Bounty

O seu primeiro grande papel e que lhe valeu o prémio para Melhor Ator no Festival de Cannes foi em Jogador Profissional (1963), um sucesso pela temática – a vida sombria dos atletas – e pela interpretação dos atores, nomeadamente da de Harris.

this sporting life

 

Em Camelot, no papel de Rei Artur, Richard Harris acrescenta 5 pontos à sua carreira. No musical, o papel pertenceu-lhe até aos anos 80:

 http://youtu.be/U55m_TzM7jw

Em Um Homem Chamado Cavalo, o western de Elliot Silverstein de 1970, interpretou um aristocrata inglês capturado por nativos americanos, que se adapta aos seus costumes e se integra na tribo.

Depois de toda esta caminhada, ruma à personagem de maior importância do seu final de carreira. O professor Albus Dumbledore de Harry Potter e a Pedra Filosofal e de Harry Potter e a Câmara dos Segredos (2002). A morte de Harris obrigou à sua substituição por Michael Gambon, que interpretou a personagem até ao final da saga. No ano do seu falecimento, ainda participou em O Conde de Monte Cristo.

albus dumbledore

 

Além de ator, Harris também vingou na música, cantando e escrevendo músicas e lançando álbuns, muitos para a banda sonora de filmes.

Parcialmente ativo e com sucesso na carreira cinematográfica até aos anos 80, a personagem de Dumbledore favoreceu-lhe o reconhecimento das gerações fãs da saga de J. K. Rowling. A doença de Hodgkin que o afetou impediu-o de aguentar até à realização final da que viria a ser, muito provavelmente, a sua última interpretação no cinema.

Os Homens Nascem Iguais (1970), Um Homem na Solidão (1971), Código: Juggernaut (1974), Orca – A Fúria dos Mares  (1977), Esta Terra é Minha (1990) e Gladiador (2000), também fazem parte da sua lista de participações como ator no cinema.

juggernaut

Código: Juggernaut (1974)