Vertigo Capa

5 pósteres de cinema que são obras de arte

A rubrica “5” pretende trazer aos leitores cinco factos cinematográficos de 15 em 15 dias. O tema desta semana foca o póster como instrumento publicitário do cinema, mas principalmente como obra de arte.

Hoje em dia existe uma parafernália de material produzido em diversos formatos para promover cada novo filme, mas a forma mais antiga de promoção, e aquela que representa para nós uma das mais importantes caras do cinema, é o póster.

Muito mudou desde os tempos da pintura manual e do póster descartável. A ilustração, os retratos das estrelas, e as mais recentes técnicas digitais, têm feito evoluir um mero veículo promocional até ao estatuto de arte.

Alguns gostam mais das famosas ilustrações que reinaram sobretudo até aos anos 80, outros são fãs incondicionais do típico póster moderno.

Tentaremos com apenas 5 dos melhores pósteres do cinema revisitar uma já longa história.

 

O Couraçado Potemkin [1925]

A obra-prima do cinema mudo de Eisenstein traz-nos a rebelião da tripulação de um navio de guerra Russo contra os oficiais czaristas e as suas consequências para o povo de Odessa num dos eventos precursores da revolução russa.

A estética da propaganda revolucionária da Rússia de 1925 está estampada nos diversos pósteres produzidos para o filme. E se Eisenstein foi um dos mestres do cinema, os irmãos Stenberg foram certamente mestres da ilustração. Autores de diversos pósteres na época, tanto para americanos como para russos, este poster é uma obra de arte por si só, representando a industrialização bélica e a repressão do regime czarista contra o cidadão comum de uma forma extremamente eficaz, mesmo para o extenso público analfabeto da altura.

Potemkin

Metropolis [1927]

Não fosse esta uma lista de 5 filmes, tanto o expressionismo alemão como a propaganda revolucionária russa teriam bem mais do que um representante. No caso do primeiro, as obras de Lang e Murnau, entre outros, foram brindadas com alguns dos melhores pósteres da história do cinema. M, O Gabinete do Dr. Caligari, Nosferatu, o Vampiro ou O Golem, seriam todos possíveis representantes desta corrente expressionista, não fosse a existência de Metropolis. O póster produzido para esta obra-prima de Fritz Lang é obrigatório e extraordinário.

Criado por Heinz Schulz-Neudamm, ilustrador alemão de Art Deco, sobrevivem alegadamente apenas três originais deste poster, tendo um atingido o maior valor de sempre deste tipo de artigos – 1,2 milhões de dólares. Outro é alegadamente propriedade de Leonardo DiCaprio.

Metropolis

Vertigo [1958]

Chegamos assim ao minimalismo e a Saul Bass, um ou outro poderiam sem esforço ser temas de artigos individuais. Bass criou vários pósteres famosos de filmes, para The Shining, Anatomy of a Murder ou The Man with the Golden Arm.

Os ângulos oblíquos e perspetivas vertiginosas, assim como a manipulação e distorção dos padrões do nosso ambiente normal são a marca deste ilustrador, que se dedicou também à animação dos créditos, revolucionando igualmente a forma como um filme era apresentado.

Vertigo é o exemplo perfeito da obra de Bass e deste tipo de abordagem minimalista, constituindo talvez um dos mais reconhecidos pósteres da história do cinema, e complementando na perfeição o propósito cinematográfico de Hitchcock.Vertigo

My Fair Lady [1964]

A transição da ilustração tradicional para o póster moderno não se faz numa linha clara ou num momento, no entanto, as parcerias entre o desenhador gráfico Bill Gold e o ilustrador Bob Peak, assim como os seus trabalhos individuais, contribuíram em muito para a inovação nesta altura de transição.

A Clockwork Orange, A Face in the Crowd e Platoon, para Gold, e Rollerball, Apocalypse Now e Star Trek para Peak, entre outros, são bons exemplos desta moderna ilustração que assim se impunha por esta altura em Hollywood, no entanto, My Fair Lady, numa das suas colaborações, é um dos mais notáveis trabalhos deste período.

 My Fair Lady

E.T. – O Extra-Terrestre [1982]

Alvinesque é o termo usado pelos seus pares para descrever o seu trabalho característico, John Alvin é autor de alguns dos mais conhecidos pósteres do cinema moderno. Uma longa parceria com a Disney e com vários realizadores de Hollywood fez com que Alvin deixasse a sua marca na indústria.

Os pósteres de Blade Runner, Empire of the Sun, The Lion King, Aladdin são apenas parte da sua extensa obra, mas de entre todos, talvez o mais icónico seja o póster de E.T. de Spielberg.

E.T.

Mais Artigos
André Anjos e Maria Mendes
Portugueses André Anjos e Maria Mendes nomeados para os Grammys 2021