Entrevista EF. Nelson Sousa: “fiquei um pouco obcecado em chegar à final”

Desde cedo acreditou no seu talento e, contrariamente à ideia dos seus pais, afirma que é possível viver da música em Portugal. Abdicou do seu emprego numa fábrica de estruturas metálicas para seguir o seu sonho: a música. Nelson Sousa, participante e finalista do Rising Star, desde o início foi um dos preferidos do público. O Espalha-Factos esteve à conversa com ele para falar sobre a sua participação no programa da TVI.

Espalha-Factos (EF): Como te sentes relativamente à tua participação no Rising Star?

Nelson Sousa (NS): Foi uma experiência muito enriquecedora. Estou muito feliz com a minha participação e sinto que cumpri o meu dever. Foram três meses fantásticos onde convivi com pessoas espetaculares desde a produção, aos músicos, ao CC (o diretor musical) e aos meus colegas. No Rising Star tive oportunidade de criar amizades com alguns dos meus colegas, ganhar experiência e aprender com grandes músicos.

http://youtu.be/hj1eRnbEFh4

«Foram três meses fantásticos»

EFQual é o feedback que tens recebido?

NS: O feedback tem sido muito positivo. As pessoas parecem gostar de mim. Estou contente por poder cantar para as pessoas e se elas gostam ainda melhor! Quero agradecer pelo apoio que me deram porque sem ele não tinha chegado onde cheguei.

nelson

«Estou contente por poder cantar para as pessoas»

EF: Tens alguns projetos agendados para breve?

NS: Para já ainda não. As coisas vão aparecendo, acho eu. A Rita Guerra convidou-me em direto para um dueto num dos seus concertos e eu fiquei todo contente. Agora vamos ver como é que vai correr.

EF:  Como conseguiste lidar com os nervos e com as vezes em que estiveste em risco de sair do programa? Nas últimas galas pareceu que estavas muito nervoso, como conseguiste descontrair até à final?

NS: Acho que lidei bem. Consegui ultrapassar as adversidades e utilizei-as a meu favor. Na semifinal estava muito nervoso porque chegar à final tornou-se um grande objetivo. Acho que fiquei um pouco obcecado e isso deixou-me muito mais nervoso. Para a final fui tranquilo, tranquilíssimo, já estava lá, em 12 mil estava nos quatro últimos, cantei sem pressão e as coisas correram bem. A minha mentora, Cuca Roseta, ficou bastante satisfeita com a minha prestação e acho que apesar de não ter ganho correspondi às expectativas.

«Fiquei um pouco obcecado em chegar à final e isso deixou-me muito mais nervoso»

cuca e nelson

EFQual o teu momento preferido no programa?

NS: Foi o momento de viragem. O duelo contra o Vasco e a Inês, na música Eu Não Sei Quem Te Perdeu, do Pedro Abrunhosa. Quando eu pensava que ia perder, no último segundo, o ecrã levanta. Para mim foi o melhor e o pior momento no Rising Star.

EFComo foi cantar a música Dá-me um abraço ao lado de Miguel Gameiro?

NS: Foi uma experiência muito enriquecedora. Pisei o palco ao lado de um grande artista da música portuguesa. O Miguel Gameiro é um artista espetacular e uma pessoa muito simpática e acessível. Foi uma experiência ótima.

http://youtu.be/EscZb_of2oU

EF: Querias ganhar?

NS: Querer ganhar não queria, mas gostava. No entanto, acho que foi justo, o Bruno (Correia) tem muito talento. Todos gostamos de vencer mas diverti-me acima de tudo e acho que isso é que foi o mais importante.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
'The Disciple' venceu o galardão de Melhor Filme LEFFEST.
LEFFEST’20. ‘The Disciple’ e ‘The Best Is Yet To Come’ são os grandes vencedores