Comediantes dão voz aos 'Monstros das Caixas'

Comediantes dão voz aos ‘Monstros das Caixas’

Os Monstros das Caixas, o novo filme de animação dos criadores de Coraline e a Porta Secreta e Paranorman, já conhece o elenco que lhes vai dar voz na versão portuguesa.

Os comediantes Eduardo Madeira, Manuel Marques, Nuno Markl e Rui Unas foram os escolhidos para dobrar um filme que na versão original conta com nomes como Ben Kingsley, Elle Fanning ou Tracy Morgan. A eles junta-se ainda a apresentadora Sónia Araújo, que dará o primeiro passo no mundo do cinema de animação.

Nenhum dos humoristas portugueses é um estreante por estas andanças, visto que todos já estiveram ligados à dobragem de outros filmes de animação. Eduardo Madeira e Manuel Marques ainda no ano passado participaram no filme da Disney Aviões, enquanto que Rui Unas leva já um vasto número de participações nestes trabalhos, tendo emprestado a sua voz a sucessos como ShrekAs Aventuras de Tintin: O Segredo Do Licorne. Nuno Markl, por sua vez, foi a personagem principal do filme A História de Uma Abelha e esteve inclusive encarregue de traduzir e adaptar para português Coraline e a Porta Secreta.

Continuando num estilo de animação mais peculiar e bizarro que destacou as anteriores produções dos estúdio da Laika, Os Monstros das Caixas passa-se na época Vitoriana em Ponte de Queijais onde, por debaixo de uma rua elegante e cheia de classe, vivem os Monstros das Caixas, uns seres divertidos que vestem caixas de cartão reciclado. No seio da sua comunidade, os monstros criaram um menino órfão que irá agora ajudá-los a combater um exterminador de pestes que pretende extingui-los de modo a subir na sociedade de Ponte de Queijais.

Os Monstros das Caixas tem data de estreia em Portugal marcada para 16 de outubro. Em baixo podes assistir ao trailer.

http://youtu.be/My27QwKNyPY

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Hiroshima e Nagasaki: 75 anos depois do “inferno na Terra”