A Temporada do Rinoceronte

A Temporada do Rinoceronte: o amor, a poesia e as sequelas da revolução

É um filme intimista de um realizador que se viu obrigado a sair do seu país para o filmar. A Temporada do Rinoceronte é, mais do que uma história de amor trágica, um retrato sobre as sequelas que a Revolução Iraniana teve na vida de várias pessoas.

Após ter sido condenado a 30 anos de prisão por ter publicado poemas políticos, Sahel sai finalmente em liberdade e depara-se com uma cruel realidade: a sua mulher Mina, pensado que o marido havia morrido na prisão, fugiu para a Turquia. Determinado a reencontrá-la, o poeta viaja para Istambul em busca do amor da sua vida.

Bahman Ghobadi teve que sair do Irão pelo facto dos seus filmes serem contra o governo atual. O mesmo aconteceu com Behrouz Vossoughi (que interpreta a personagem principal Sahel), que saiu do mundo do cinema no final da década de 70 aquando da Revolução Iraniana, tendo recusado vários papéis até ao convite de Ghobadi.

Este é, portanto, um filme bastante importante e pessoal por todos os envolvidos. É também baseado na vida de um poeta iraniano que na nota de abertura do filme tem o pseudónimo de Sadegh Kamangar. Os seus poemas são geralmente declamados durante o decorrer de toda a fita e por vezes são mesmo adaptados ao ecrã em cenas belíssimas e, ao mesmo tempo, surreais. Mas mesmo com este surrealismo, nunca uma estrofe é descontextualizada, Ghobadi sabe exatamente quando utilizar cada verso e orquestra momentos profundos ao longo da sua obra.

A montagem bastante eficaz do filme sabe alternar entre estes momentos mais metafóricos e o enredo principal, ajudando por vezes a compreender um pouco melhor o que vai na cabeça das personagens. Isto porque há uma quantidade reduzida de diálogos em A Temporada do Rinoceronte. O filme vive à base das ações dos protagonistas e nas imagens brutais que o realizador nos mostra de uma forma quase cruel, como as torturas de Sahel na prisão ou os seus planos subjetivos nos momentos em que se depara com a nova realidade: a de que a sua mulher seguiu com a sua vida pensado que o marido havia morrido na prisão. São partes comoventes de um filme que por vezes é um verdadeiro murro no estômago, tendo em conta que a vida de Sahel não é um caso singular.

Um dos maiores trunfos do filme é a sua fotografia. É difícil tirar os olhos do ecrã graças ao trabalho de Touraj Aslani, que utilizou um incrível paleta de cores para dar mais significado a algumas cenas de A Temporada do Rinoceronte. A realização de Bahman Ghobadi é igualmente assinalável. Uma das mais interessantes opções que o realizador tomou na elaboração deste seu trabalho foi a forma diferente com que tratou o antes e o depois da prisão de Sahel. O poeta é a personagem principal do filme enquanto a ação decorre na atualidade, mas os flashbacks que nos levam até à década de 70 focam essencialmente o chauffeur Akbar, empregado da família de Sahel, e o seu relacionamento Mina, por quem tem um paixão secreta. Ghobadi mostra-nos assim um triângulo amoroso em várias perspetivas e em tempos diferentes e faz com que conheçamos melhor cada personagem.

O elenco não é composto por muitos atores. Behrouz VossoughiMonica BellucciYilmaz Erdogan são os verdadeiros líderes do filme, com performances incríveis. Não havendo muitos diálogos no argumento de Ghobadi, as personagens foram essencialmente construídas a partir dos gestos dos seus intérpretes e dos pequenos detalhes que cada um transmitiu. Não há muitos mais protagonistas num filme que gira principalmente em torno de Sahel, Mina e Akbar, mas podem-se destacar ainda os pequenos papéis de Belçim BilginBeren Saat, duas prostitutas que acabam por ter um papel fundamental no desfecho da narrativa.

A Temporada do Rinoceronte é um dos filmes mais incríveis do ano. Tem algumas das imagens mais bonitas do cinema dos últimos anos e não vai deixar ninguém indiferente. A belíssima realização de Bahman Ghobadi (que continua a provar ser um dos mais importantes realizadores iranianos da atualidade) aliada ao exímio trabalho de fotografia, às grandes interpretações  do seu elenco e à poesia de Sadegh Kamangar fazem desta sua obra um retrato comovente sobre o amor e as injustiças da vida.

9/10

Ficha Técnica:

Título: Fasle Kargadan

Realizador: Bahman Ghobadi

Argumento: Bahman Ghobadi

Elenco: Behrouz Vossoughi, Monica Bellucci, Yilmaz Erdogan

Género: Drama

Duração: 88 minutos

Mais Artigos
marta ren
À Escuta. Marta Ren, Jorge Benvinda e João Couto entre os destaques da semana