nova era

EDP Beach Party. Uma chuva de drops agressivos

A festa da Rádio Nova Era totalmente dedicada à música eletrónica foi uma chuva de drops agressivos. Os milhares que lá estiveram testemunharam isso mesmo: as gotas no início, que se tornaram chuva ia já avançada a noite, e os drops agressivos que acompanharam os vários sets desta beach party. Uma nova era da EDM (Eletronic Dance Music)?

Depois de lutar contra o trânsito, a falta de transportes, o mau tempo e a ansiedade dos milhares que tentavam chegar a Matosinhos, o Espalha-Factos lá entrou na Praia do Aterro. Em palco estavam já as Nervo, o primeiro dos principais nomes da noite. A dupla de DJ’s feminina apostou forte na interação com o público, mas esqueceu-se de caprichar mais o set que trouxe a Portugal. Longe de inovarem, as Nervo brindaram-nos com alguns dos habituais hits como I Love It ou Eat Sleep Rave Repeat, agradando assim a muitos dos presentes.

No meio da multidão via-se um barco insuflável, muitas luzes com o patrocínio da EDP, várias bandeiras de países, e pessoas de todas as idades. E as Nervo não se esqueceram do público, tendo até falado em português (ou espanhol, vá, uma vez que ouvimos um ‘sienteeeem’). Interagiram constantemente com quem tinham à frente, sendo este um dos grandes pontos a seu favor. Depois de Everybody Raise Your Head, de Alesso, e mais algum tempo entre drops e batidas que nos causaram mixed feelings, as Nervo despediram-se de Portugal às 21h40 com uma atuação agridoce.

A transição entre os artistas ficou a cargo de uns MCs portugueses monocórdicos e de um DJ de serviço que passava os hits do momento. Enquanto Dimitri Vegas & Like Mike não entravam, o Espalha-Factos aproveitou para absorver o ambiente desta festa. Resumindo: muita areia nos pés, alguns pedidos para tirar fotos (o Instagram ou o Facebook tinham de ser alimentados) e até um “isto para os gajos é muito mais fácil” se ouviu perto dos WC’s.

De volta ao palco – e longe das distrações do recinto -, às 21h50 mais uma dupla pisava o solo da Nova Era Beach Party: Dimitri Vegas & Like Mike romperam palco a dentro com a perspetiva de dar uma grande festa. De facto, o género Big Room House dominou o set dos dois irmãos, mas não chegou para tornar esta beach party numa rave. A dupla de DJ’s foi bastante previsível e até na interação com o público falhou. Ouviu-se I Need Your Love, Stay The Night e a  Miracle de Wolfpack ft. Coco, num remix de Dimitri Vegas & Like Mike que foi tudo menos um milagre. Nem o fogo ou os poucos efeitos especiais e de luzes do palco salvaram o set. Às 23h00 a dupla despedia-se, mas o público não pareceu importar-se. Vinha aí Kura.

23h10. O português que é amigo de Hardwell toma conta da mesa de mistura. Hey Brother, Rather Be, Sweet Dreams (Are Made Of This), Reload e uma piada no meio do set (but first… – let me take a selfie – shut up) começaram a atuação, que viria a ser mais agressiva do que o esperado. Kura apostou nos drops fortes – e nada contra -, isto se não estivesse constantemente a apostar no mesmo. Ainda assim, o português não desiludiu. Puxou o trap com Dark Horse, um pouco de rock com Numb, e meteu todos contentes com Pursuit of Hapiness. O set de Kura foi uma mistura entre momentos agressivos e os hits do momento. Pode-se dizer que o saldo foi positivo. A finalizar: You’ve Got The Love, Spaceman, Summer e Titanium. Estava assim fechado o set de Kura, que durou até às 00h40.

Seguiu-se Thomas Gold, talvez o nome menos conhecido dos cabeças de cartaz, pelo menos em Portugal. O DJ continuou o legado deixado por Kura: não se diferenciou, a não ser por breves momentos, tendo pautado o seu set com batidas mais pesadas misturadas com vários hits. Ouviu-se a inesperada Music, de Madonna, e as habituais Sweet Nothing, de Florence, I Need Your Love e If I Lose Myself. Pelo meio ainda nos surpreendeu com o ouro de Bounce Generation (TJR & VINAI), Anywhere For You (John Martin), City Of Dreams (Alesso), We’ll Be Coming Back (Calvin Harris), mas foi Clarity de Zedd ft Foxes, a terminar, que mais nos agradou, apesar da breve referência.

Às 2h00 já era Dannic quem tomava conta do palco. O discípulo de Hardwell foi na linha dos DJ’s a que sucedeu. Ainda assim, foi possível ouvir reggae (adequado para o cheiro que por vezes se sentiu!) e para alguns desvios às habituais músicas: Move It 2 The Drum de Chuckie & Hardwell ft. Ambush, You de Galantis e até a Heads Will Roll que, apesar de ser uma constante nos sets, deu ritmo a uma noite que foi invadida pelos drops agressivos (e excessivos). Dannic soube fazer com que o público Stay High com a música, remexendo até em old hits que fazem sempre bem à alma, como One More Time (Daft Punk).

3h30. Tempo para a última atuação, marinada com uma chuva cada vez mais forte. O fumo branco anuncia os mais do que esperados Showtek. Porém, o começo com Do It Like That (MEM) anunciava sim que o último set do Nova Era Beach Party não seria muito diferente da linha ‘editorial’ que tinha sido seguida naquela noite. Assim, o fumo branco não anunciava uma boa nova, infelizmente. Tanto que até se ouviu pela milésima vez a I Love It, das sem culpa Icona Pop, que nos deixou a odiar um pouco que as suecas tivessem feito este hit. Contudo, os Showtek tinham consigo um trunfo: a interação com o público que restava foi mais forte, com um deles a ‘puxar’ e, assim, a tornar o set mais likeable. How We Do (em parceria com o melhor DJ do mundo, Hardwell) relembrou como os Showtek são excelentes em estúdio e a compor as músicas que os fizeram conhecidos. Boyaah e a presença de Sonny Wilson fecharam a noite já bastante chuvosa e com menos público do que desejado para o grande final.

Uma beach party que meteu água, certamente, mas ainda assim não nos fez arrepender de ter seguido rumo até Matosinhos.

Mais Artigos
The Black Mamba
Eurovisão 2021. ‘The Black Mamba Home Concert’ estreia já na próxima semana