The Kid, 1921

5 cenas mais tristes do cinema

As cenas tristes podem aparecer em qualquer tipo de filme, em qualquer altura, mas as melhores são mesmo as que surgem de forma completamente inesperada.

A capacidade com que certas cenas – ou mesmo filmes inteiros – são capazes de nos abalar que nem uma bola demolidora é indiscutível. Mortes, relações dramáticas entre pais e filhos, despedidas inevitáveis e corações partidos são o tipo de cena que mais rapidamente nos deixa de lágrima no canto do olho e com o coração reduzido ao tamanho de uma ervilha.

Percorremos épocas cinéfilas, e fizemos a nossa escolha. Aqui está a nossa lista:

ATENÇÃO: Esta lista contém spoilers.

O Garoto de Charlot, 1921

Uma das lendas, talvez a maior delas todas do cinema mudo é Charlie Chaplin, que conseguiu emocionar muito quem assistisse aos seus filmes. O Garoto de Charlot é um dos seus títulos mais prestigiados e o mais sentimental. A cena em que o filho do The Tramp é levado pela polícia faz-nos querer gritar por justiça, e a reação de ambos faz-nos querer ir a correr buscar o pacote de lenços inteiro. Charlie Chaplin mostra-se capaz de nos pôr a fazer mais do que apenas rir:

O Homem Elefante, 1980

Deste filme poderíamos escolher não uma, mas várias cenas. A história de John Merrick (John Hurt) é um apelo aos valores morais da humanidade e ao olhar para lá da beleza – neste caso, da transfiguração. Esta personagem vive numa sociedade em que é considerada uma aberração de circo, e só com a ajuda do Dr. Treves (Anthony Hopkins) é que consegue viver minimamente feliz. A cena escolhida pelo EF é o momento em que John, depois de regressar a Londres de comboio, é cercado por várias pessoas. A reação de John deixa-nos sem palavras:

O Rei Leão, 1994

De entre os filmes de animação, a Disney foi a escolhida para representar a cena que nos deixa mais tristes – a morte de Mufasa. O Rei Leão é dos melhores filmes que a Disney alguma vez criou, e que é capaz de emocionar miúdos e graúdos. Simba, a personagem principal, encontra o pai morto, Mufasa. O desespero de Simba em tentar pedir ajuda para salvar o pai é desolador e uma das cenas mais marcantes para quem, tanto em criança como em adulto, continua a emocionar-se ao vê-la:

A Vida é Bela, 1997

A cena escolhida: o momento em que Guido é levado por um soldado, para o fim que já todos nós sabemos. Nós sabemos, mas o filho de Guido, Giosué, não faz ideia. Para quem já viu o filme sabe que desde que esta família é levada para um campo de concentração, Guido cria uma história para que o filho não se aperceba do que lhes está a acontecer. O que nos faz tremer de tristeza, é mesmo isso, a capacidade que Guido tem de levar até ao fim a fantasia criada para que o filho acredite que é tudo apenas um jogo, e que em breve estarão de volta a casa.
Mais que uma cena triste, este filme é um clássico capaz de nos levar do riso mais sincero ao choro mais emocionado:

http://youtu.be/oZVmWVNZvtI

As Serviçais, 2011

Mais um filme em que muitas cenas poderiam ser aqui mencionadas. Em As Serviçais, fala-se do preconceito racial dos anos 60 entre as famílias ricas brancas e as empregadas negras. Este é um dos filmes que melhor retrata este tipo de preconceito e que nos deixa emocionados do princípio ao fim. A cena escolhida foi a conversa entre Skeeter (Emma Stone) e Constantine (Cicely Tyson), em que as palavras da empregada negra são capazes de pôr um sorriso na cara de Skeeter e lágrimas a escorrer na dos espectadores:

Outras considerações: morte de Dumbledore (Harry Potter e o Príncipe Misterioso), morte de Léon (Léon, o Profissional), o final de Toy Story 3, a visualização dos “beijos” por Toto (Cinema Paraíso), a morte de Pina (Roma, Cidade Aberta), despedida de ET (E.T. – O Extra-Terrestre).

A rubrica “5” pretende trazer aos leitores cinco factos cinematográficos de 15 em 15 dias. Esta semana o Espalha-Factos escolheu as cinco cenas do cinema que considera mais tristes, ou pelo menos, as que afetam mais os nossos corações cinéfilos.

Mais Artigos
Gambito de Dama
‘Gambito de Dama’ bate recordes e reacende popularidade do xadrez