O Musicbox abriu portas para receber em palco Joana Espadinha e a sua banda por volta das 22h30. Com um nervosismo notório, frutos inocentes do início de carreira como cantora, Joana Espadinha cantou todas as música do disco de estreia, uma inédita e ainda a Playback de Carlos Paião. Pouco mais de uma hora de concerto deu a entender que a cantora é uma das novas promessas na música portuguesa.

A partir do momento em que a banda de Joana Espadinha se colocou em palco, as pessoas presentes no Musicbox chegaram-se à frente para ouvir mais de perto o concerto. Não é a primeira vez que a cantora está em palco, longe disso. O percurso académico de Joana faz-se dentro do universo musical: estudou na Escola de Jazz Luís Villas-Boas e é licenciada em jazz pelo Conservatório de Amesterdão. A licenciatura em Direito é a única exceção à música no caminho desta artista. Mas, ao entrar em palco, sentiu-se o “nervosinho miúdo” de quem deseja fazer um bom trabalho e agradar a todos as pessoas presentes.

Apesar do single Ao Seu Dispor, com teledisco lançado há alguns dias, ter sido a música mais reconhecida pelo público e a que colocou mais pessoas a cantar, não foi a escolhida como uma das primeiras no alinhamento. Joana Espadinha percorreu todas as músicas do seu disco: desde Branco – uma das primeiras canções que escreveu – a Desengano, Idade do Armário e Amnésia – música sobre o esquecimento de alguém – todas foram cantadas de forma subtil, por vezes com mais qualidade do que se pode ouvir no disco.

Joana Espadinha 1

Essa qualidade provém também, especialmente, da banda que acompanha a cantora. Júlio Resende no piano, João Firmino na guitarra, Francisco Brito com o contrabaixo e Margarida Campelo nas teclas e vozes acompanharam Joana e conseguiram virar o público do avesso. Um avesso brilhante, de que quem não espera tanta qualidade numa artista a lançar-se no mercado português, um avesso que faz o tempo correr. Uma hora já tinha passado sem se dar por isso.

Este concerto no Musicbox foi também o lugar ideal para Joana apresentar uma nova música, com um título ainda provisório, Drama Queen. Fala sobre uma rapariga que está a ir para o baile de finalistas e está naquele momento a ser fotografada pelos pais, no momento em que está a descer as escadas, disse-nos a cantora. Uma simples canção que deixa vontade de ouvir o que é que esta artista portuguesa têm mais em mãos para apresentar mas isso deverá ser só daqui a algum tempo, depois do avesso que provocou em todas as pessoas com as suas canções.

Mas talvez as melhores canções sejam a Sem Rede e a faixa-título do álbum. “Já tenho sede de te dar a minha rede de uma vez/ Vês o meu corpo melhor do que ninguém/ Nos labirintos onde duvidei” são algumas dos versos marcantes destas canções. Para além da qualidade musical, é de louvar cada composição apresentada e cantada por Joana Espadinha. Uma benção à língua portuguesa e a todos os compositores nacionais.

É de se esperar por muito mais. O espetáculo no Musicbox equivale a um aperitivo. Nos próximos concertos espera-se um espaço maior, um público com mais desconhecidos para apreciar a música da artista e a mesma banda a acompanhá-la. Resta “esperar pela paz” e ver o avesso que Joana vai trazer ao público do nosso país.

Imagens  © Diana Mendes