A época das Festas de Lisboa está aberta. Estão de volta os arraiais,  as sardinhas, as marchas e todos os espetáculos a que a cidade de Lisboa já nos habituou nestes meses de festa, de entrada livre. A EGEAC já fechou o programa das festas, sabe tudo o que te espera.

O espetáculo de abertura, O Último Sonho do Grande Aventureiro Fernão Mendes Pinto, tem lugar já hoje pelas 22h na Praça do Rossio. Concebido pelo Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua, segue a linha temática do imaginário marítimo e dos descobrimentos, envolvendo a música de Gisela João, o ritmo de Bambaram e o coro Molihua com as criações gigantes e coloridas dos Plasticiens Volants.

O Dia S é o dia para dançar. Este Domingo, no Parque Tejo, das 17h às 22h, a festa começa pelas 17h com Tom Enzy e a dupla Mete Cá Sets que abrem a pista para o já reconhecido mundialmente Diego Miranda. Sem perder o fio condutor das Festas de Lisboa, o Dia S é também um espetáculo onde o público é convidado a interagir com um dos elementos tradicionais das festas: a sardinha.

A edição deste ano traz também de volta o Andar em Festa, o projeto que leva a criação artística ao espaço público e aos transportes coletivos. Entre 30 de maio e 3 de junho, os comboios da Linha de Sintra e de Cascais vão poder contar com o espetáculo Lisboa – A Mala, que tem como objeto artístico principal uma mala que vai sendo transmitida aos passageiros, enquanto que nos elevadores de Santa Justa e nos ascensores da Bica, Glória e Lavra o projeto Sobe e Desce ganha vida com pintura barroca, azulejos tradicionais e fotografias. De 2 a 6 de junho, o típico fado ganha vida nos elétricos 28E e 12E às 14h e 17h com Fado nos Elétricos.  O Aqueduto em Festa, um projeto em que o percurso dos visitantes é acompanhado pelo Coro do Tejo, acontece nos dias 5, 19 e 26 de junho, onde apenas é necessário uma marcação prévia.

Os bailes também têm o seu lugar de destaque nesta edição com os Microbailes, os bailes móveis que crescem nas várias arcadas, becos e varandas da cidade, a 6,13, 20 e 27 de junho na Baixa Lisboeta e na Mouraria.  O metro não foi deixado de parte neste Andar em Festa e de 9 a 13 de junho, na estação de metro de S. Sebastião, a Escala no Metro, projeto criado pela pianos.pt que construiu um teclado ao longo de uma escadaria no metro para que o público possa tocar conforme sobe e desce. Os autocarros da Carris vão ter a presença, de 16 a 20 de Junho, do Vai Lá Lisboa, onde 5 músicos transformam transformam iPads e amplificadores portáteis numa verdadeira orquestra sinfónica. Por fim, o Lisboa Muda invade a Estação Fluvial do Terreiro do Paço com uma vídeo instalação concebida que retrata Lisboa antiga.

O famoso “Lisboa é Linda” vai-se ouvir mais uma vez este ano. As Marchas Populares vão poder ser vistas nos dias 6, 7 de 8 de junho no Meo Arena pelas 21h30 (bilhete a 6€) e dia 12 de junho pelas 21h na habitual Avenida da Liberdade (entrada livre).

O Fado, Património Cultural Imaterial da Humanidade, tem o seu lugar de destaque ao lado dos Castellers de Sants. Natural do bairro de Sants, em Barcelona, o grupo é constituído por mais de 500 membros de todas as idades, sexos, géneros, origens sociais e culturais e já completam 20 anos de existência a construir estes castelos humanos. Para ver dia 7 de junho, às 20h30, no Panteão Nacional.

E como não existe Festas de Lisboa sem uma verdadeira festa, os arraiais que recebem os santos não vão faltar. De 6 a 28 de junho passam pelos sítios mais carismáticos de Lisboa, da Graça a Belém, o Santo António à La Time Out, o Arraial Verde, o Arraial Sumol – 60 anos, 1 Verão, o Arraial da Vila Berta e ainda o Arraial Lisboa Pride. Sem contar com aqueles arraiais nos bairros de Lisboa a que já fomos habituados.  Todos de entrada livre e com início por volta das 16h até boas e altas horas da noite.