O castelo que pertenceu ao vampiro mais famoso da história foi posto à venda pela Hezfeld & Rubin, firma que detém a propriedade e quem está neste momento a realizar a venda. A fortaleza, situada na Transilvânia e morada de Vlad III, Príncipe de Valáquia conhecido como “O Empalador”, já pertenceu a Saxões, Húngaros e mesmo a guerreiros da Ordem Teutónica.

Mark Meyer, um dos responsáveis pela firma e cônsul americano honorário da Moldávia, refere ao jornal Daily Mail que “se alguém surgir com uma oferta razoável, iremos analisar quem a fez, o que estão a propor e iremos ponderar a ideia.” Neste momento, o castelo encontra-se à venda por 58 milhões de euros.

O Castelo de Bran tem as suas origens do ano de 1211, embora o primeiro documento a referir o seu nome data de 19 de novembro de 1377. Suportou diversos ataques e invasões, mas a sua estrutura resistente e métodos de defesa tornaram-no impenetrável. Entre 1438 e 1442, a fortaleza foi usada como defesa contra o Império Otomano, tendo mais tarde sido usado como um posto aduaneiro na passagem pela montanha entre a Transilvânia e a província da Valáquia.

A partir de 1920, o castelo foi passando entre membros da família real da Roménia, tornando-se num retiro para a Rainha Maria. Foi então herdado pela Princesa Ileana que, em 1944, transformou o castelo num hospital para tratar os feridos da 2ª Guerra Mundial. Contudo, em 1948, o castelo foi tomado pelo regime comunista e a família real foi expulsa. Contudo, o controlo voltou para as mãos da família real em 2006, quando o governo do ditador romeno Ceausescu terminou.

Hoje, o castelo é visitado por milhares de pessoas, pagando apenas 4 libras. Contudo, apesar do castelo ser muito bem tratado, os seus donos estão dispostos a vendê-lo. Segundo Meyer, o arquiduque Dominic e a sua família “querem ir além, fazer com que o castelo seja um lugar muito mais visitado, como um hotel onde as pessoas vêm e passam os dias divertindo-se.”

Acrescentou também uma série de modificações que pretendem elaborar, como um elevador que atravessa um túnel nas montanhas e que conta a história do local. “Por isso gostaríamos que quem quer que seja que compre o castelo, que o continue a usar como atração turística. Este não é só um monumento nacional, mas é a maior e mais importante atração do país.”