transferir

FATAL ’14: ‘Flight Recorder – Do Not Open’, a caixa-negra iluminada

O FATAL continua a trazer à nossa capital o melhor do teatro universitário e o passado dia 13 de maio não foi exceção: Flight Recorder – Do Not Open tomou de assalto o Teatro da Politécnica. A partir de textos dos britânicos Martin Crimp, anteriormente associado ao In-yer-face theatre, tendência britânica da década de 90, e Dennis Kelly, dramaturgo conhecido também pelo seu trabalho em televisão e cinema, um grupo de cinco estudantes da Escola Superior de Teatro e Cinema apresenta-nos uma magnética peça de criação coletiva.

O 15º Festival Anual de Teatro Académico de Lisboa poderia até já ir a meio, mas muito ainda estava para vir. O final de uma calorosa tarde de terça-feira marca a entrada numa atmosfera singular, junto ao encantador Jardim Botânico. Flight Recorder – Do Not Open é o nome da peça que estamos prestes a observar. Pertencente à categoria FATAL Convida do festival, foi a vez da Escola Superior de Teatro e Cinema do Instituto Politécnico de Lisboa provar o que vale e mostrar porque continua a ser a maior referência do ensino superior artístico no país, no que diz respeito ao Teatro.

Na pequena sala escura deparamo-nos com algo que nos relembra um panorama de acidente aéreo. Os atores, já em cena, montam o cenário de forma automatizada. Movimentos, passos e deslocações robóticas. Como se de um jogo de vídeo se tratasse.

A base do espetáculo passa pela exploração dos conceitos de black box (caixa-negra) e flight recorder (“gravador de dados”), dispositivos que, num avião, gravam o som ambiente das cabines de comando e do sistema de áudio, assim como os dados de performance (como a velocidade, aceleração, altitude,…). Em caso de acidente, são a black box e o flight recorder que permitem investigar as suas causas, através da recuperação destes registos.

Francisco Morais-IMG_0132

A partir daqui, o texto dramático faz uma analogia brutal à sociedade instantânea contemporânea e, mais particularmente, à indústria artística.

Começa por ser feita uma divisão entre os bons e os maus, os solidários e os egoístas, os estúpidos e os inteligentes, os crédulos ou ingénuos e os fortes ou pujantes, os que acreditam em entidades ou poderes superiores e os que tomam ação e dominam.

A violência do capitalismo; a violência do dia a dia; as infindáveis corporations e o profit-seeking business. A industrialização de tudo e de todos: do quotidiano, da arte, das pessoas, do ser,… A mentira. A ausência de sentido, a perda das coisas simples. Da especulação do aparente, do visual, da imagem («a câmara adora-te!») à obsessão pelas tragédias e à busca por um significado profundo por detrás destas. Fazer de tudo um produto, abusá-lo e sugá-lo até ao tutano. Mas, ao mesmo tempo, transparecer a ideia de que o “objeto” tem alguma espécie de controlo sobre si mesmo, de que há um desígnio artístico que ilumina todo o processo. Depois, quando o espetáculo acaba, comentários, lamentações e discussões: é uma fatalidade premeditada ou um mero infortúnio? Estaria “ela” a opor-se ou não ao sistema? Perdeu-se no meio do frenesim ou não estava tão perdida assim e provocou deliberadamente o seu fim? Era uma forma de afirmação? Mas que tipo de afirmação? Então e que resta “dela” no fim de tudo? Quando perdida, despida, sem brilho, só ela, entra na “selva” do mundo real. E quem comenta, quem discute, quem afirma, quem debate… Procura o quê? Conhecimento? Uma voz? Ou simplesmente ter uma opinião? Tudo cabe nesta peça!

Francisco Morais-IMG_0153

Apesar de partir da obra de Martin Crimp e Dennis Kelly, é notória a introdução de várias referências próprias. E, sendo esta uma criação coletiva, com encenação e cenografia a cargo dos próprios, o trabalho de grupo destes estudantes merece e deve ser elogiado. Cada um ocupa uma posição particular e insubstituível. Souberam explorar o espaço e tirar vantagem da sala em que se apresentam, o que é muito aprazível de assistir. Há um excelente trabalho de sonoplastia – Flashing Lights, de Kanye West, e We Are Not Good People, dos Bloc Party, ilustram sonoramente o ambiente vivido.

Mas aquele que é, provavelmente, o ponto mais forte de todo o espetáculo é a imagem visual produzida. Se Flight Recorder – Do Not Open fosse um filme, levaria para casa, com toda a certeza, o Óscar de Melhor Fotografia do FATAL! O cenário ganha uma dimensão intergaláctica quando uma atriz desnuda envolta em papel celofane é coberta por luzes e uma coroa de flores, compondo a bizarra e, no entanto, assustadoramente hipnótica e atraente imagem de um “artista”, um performer que é um produto – algo inspirado nas experiências artísticas de Marina Abramović, como os próprios atores admitiram na conversa que sucedeu a apresentação da peça.

Francisco Morais-IMG_0093

Por fim, admiremos a qualidade e a excelência do nível de interpretação destes jovens estudantes de Teatro. Beatriz Brás, Daniela Silva, João Monteiro, Sérgio Coragem e Vânia Ribeiro simplesmente estão . Em presença, dedicação, descontração, dicção, projeção – até em imobilização! Um banho de talento fresco foi o que chegou até à audiência que se encontrava no Teatro da Politécnica naquele final de tarde. Resta-me prever que se o futuro do teatro português não for promissor não será, com toda certeza, pela ausência de novos talentosos atores.

Fotografias de Francisco Morais. Cedidas pela organização do festival.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Estamos Em Casa Sara Matos
‘Estamos Em Casa’. Sara Matos estreia-se como apresentadora