O Editorial By Heart, equipa constituída por Inês Costa e Pedro Baião, querem levar a arte às pessoas. Desejam que exista uma interação entre a história que contam e o público. Contam desta vez a história d’A Guardiã de Okwoods, no espaço Fábulas, em Lisboa, até ao próximo dia 17 de maio. Trouxeram parte da história, as fotografias e também objetos para levar o cenário do conto até às pessoas.

Encontrámo-nos com os dois artistas no espaço Fábulas, situado no coração de Lisboa. “A primeira edição foi feita no Parque das Nações e, entretanto, nós queríamos trazer o Editorial para o meio de Lisboa”, começou por dizer-nos Inês, “e então nada melhor do que o Chiado”. O próprio nome Fábulas está relacionado com a essência do Editorial By Heart. Em cada exposição fotográfica montada por estes jovens artistas é contada um conto. Inês e Pedro querem levar o público, através de sensações provocadas pela música, texturas e cenários, a explorar os contos originais que criam.

Inês Costa - Editorial By Heart

Pedro Baião - Editorial By Heart

Para contarem A Guardiã de Okwood no Fábulas, para além das fotografias, trouxeram a lenda que gira à volta do conto que criaram, os detalhes das personagens que dão a conhece-las um pouco e criaram um menú de refeições relacionado com a história que criaram. Pedro Baião aponta para os pormenores colocados na primeira mesa, logo ao início da exposição. “Uma das aberturas é a mesa que tem todos os detalhes da personagem principal, todos os objetos pessoais começam a narrar” a história, diz-nos o artista. O pequeno diário, colocado nesta mesa, conta uma história da personagem principal até ao início do conto.

A Guardiã de Okwood conta a história de um rapaz, a viver perto da floresta Okwood, completamente obcecado com a lenda da guardiã que a guarda. “Conta-se que dentro da floresta existe uma protetora natural do espaço que impede qualquer humano de se aproximar do interior da floresta”, conta-nos este jovem criador. O protagonista desta história acredita que a lenda é real e tenta descobrir o rasto da guardiã de Okwood, entrando cada vez mais no coração da floresta até ao dia em que acaba por ficar preso. E mais não é revelada sobre a história. O conto centra-se na “obsessão” e na necessidade de “fechar ciclos”, afirma Inês Costa.

Os dois artistas acreditam que têm conseguido passar o seu conto às pessoas que frequentam o Fábulas. “O facto de as pessoas terem de mexer na exposição” e a organização dos objetos e das fotografias ajuda o público a ver a história. “Mesmo que a pessoa não apreenda a história na totalidade, acho que é normal uma auto descoberta das coisas”, diz-nos Pedro Baião. Apesar de não estarem 24 horas no Fábulas, os artistas tentam guiar os visitantes de uma forma mais profunda “para as pessoas terem reações daquilo que veem”.

Editorial By Heart1

Por não estarem todo o dia na exposição fotográfica, deixaram um livro para todos os visitantes deixarem a sua opinião. Até ao momento as reações têm sido positivas. Quando questionados sobre a continuação d’A Guardiã de Okwoods num outro espaço, afirmam que o Fábulas vai ser o último espaço em que vão contar esta história.

“Temos outro projeto em andamento, não só de fotografia mas também em vídeo”, adianta Pedro Baião sobre os próximos projetos que têm em mãos. “Estamos com uma curta em mãos mas sempre com esta ideia de dinamizar e fazer algo de diferente, não só uma fotografia” mas criar “uma envolvência diferente”. A exposição permanece no Fábulas, situado no Chiado, até ao próximo sábado, dia 17.