A Grande Final do Festival Eurovisão da Canção contou com cobertura intensiva do Espalha-Factos e com um evento, a EF Euronight, criado especificamente para acompanhar, em direto, a primeira semifinal e a final do certame. No último dia de festa, foram algumas dezenas os que se juntaram para descobrir a canção vencedora.

Logo durante a abertura trocavam-se alguns factos e números do Festival entre os fãs mais acérrimos. Se houve coisa que se pôde aprender aqui foi que esta é uma comunidade devota e especializada, que se lembra de canções de edições há muito ultrapassadas, tipo 1969, e de pormenores sobre os cenários da Eurovisão 1994. Entre picardias sobre os favoritos da noite e as votações da semifinal, lá arrancou o desfile de canções. A Ucrânia deu o pontapé de saída, numa noite que só acabaria 25 músicas e 4 horas depois disso.

Conchita, que não foi favorita até à noite de ontem, começou a subir na ‘sondagem’ da sala aos primeiros segundos de atuação. No refrão houve quem cantasse com a diva barbuda e sentiu-se, no público presente, o favoritismo da senhora cujo apelido é Wurst, Salsicha.

A Suécia, que contou com uma forte delegação Erasmus na nossa EuroRoom, também causou uma boa impressão e houve, mais uma vez, refrões cantados. Talvez noutro ano, com uma concorrência menos popular, Sanna conseguisse ganhar. Quem foi sete vezes ao Melodifestivalen, também pode tentar outra na Eurovisão.

A atuação à Walk the Line dos Países Baixos conseguiu a façanha de alcançar o segundo lugar para o país, que entre 2005 e 2012 nem sequer conseguiu passar à final. Os fãs na sala, mais eurovisivos, admitiam que o crescimento da canção no gosto do público os surpreendeu, mas a canção acabou por alcançar o terceiro lugar entre quem estava na Euronight.

A votação da sala

Nas surpresas e no desencontro entre as votações da sala e as dos europeus houve algumas dignas de registo. A Alemanha, 18.ª no certame, foi a 5.ª mais votada pela Euronight, e o Reino Unido, que não foi além da 17.ª posição, foi 4.º na votação da sala. A Itália conseguiu o 10.º lugar entre os fãs do Espalha-Factos e só ficou em 21.º na votação real.

No extremo oposto: A Noruega, 19.º na votação do Espalha-Factos e 8.º na classificação real, a Ucrânia, 24.ª para a EF Euronight e 6.ª na votação dos europeus, ou ainda a Hungria, 16.ª para o EF e 5.ª nos verdadeiros números.

A vitória de Conchita foi aclamada pouco depois das 23h00, para infelicidade da claque sueca na sala e júbilo de grande parte dos portugueses. De resto, foi uma noite internacionalíssima: Suécia, Polónia, Hungria, Reino Unido e Espanha fizeram-se representar na Euronight. Raquel Santos Silva, da organização, confirmou a intenção de ter uma EF Euronight em 2015, “com mais promoção, mais interatividade e melhorando o que nos for sugerido pelos participantes“.

O Espalha-Factos tem agora a decorrer um inquérito de satisfação, procurando «perceber o que correu melhor e pior para nos aperfeiçoarmos para o evento do ano que vem».