Em resultado da perda recente de um dos maiores nomes da literatura latino-americana, Gabriel García Márquez, oferecemos-te agora a oportunidade de conheceres um pouco mais as suas obras com este top 10.

Nascido em Aramaica, na Colômbia, este vulto galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1982 deixou um vasto legado literário sempre influenciado por três fatores: o jornalismo, a política, mas sobretudo a cultura do seu país natal.

 

Cem Anos de Solidão1.  Cem anos de solidão

É a obra mais conhecida e lida do autor e é considerada  uma das obras mais importantes do século XX da literatura hispanoamericana. A história passa-se num local denominado de Macondo e gira em volta da família Buendía. Publicada a primeira vez em 1967, esta novela que mistura fantasia e realidade e em que os Aurelianos terão ao longo do livro a missão de desvendar os famosos pergaminhos de Melquíades, o Cigano. A genialidade do livro fez com fosse traduzi para mais de 35 idiomas e um total de vendas de 30 milhões por todo o mundo.

x4352.  Crónica de uma morte anunciada

 É uma reconstrução jornalística baseada na história (verídica) envolta em torno da morte de  Santiago Nasar. É a obra em que García Márquez mistura mais suas facetas de jornalista e escritor. É uma abordagem bastante complexa passada na mente de Nascar e sobre a certeza (ou não) de vir a ser assassinado. A trama começa exatamente na morte deste e depois retrocede voltando novamente, no final, a acabar na sua morte.  Foi publicada a primeira vez em 1981. O mais irreverente nestas linhas é a estrutura, já que começa com a morte de  Nasar e termina quando este justamente é assassinado.

putas13.  Memória de minhas putas tristes

Narra a história de um cronista e crítico musical que, ao fazer 90 anos, pretende oferecer a si mesmo com uma noite de amor louco com uma adolescente ainda por desflorar. Porém, ao contrário daqui que havia idealizado, ao vê-la dormir num sono tranquilo e profundo não tem coragem de consumar o ato e acaba por desenvolver uma espécie de amor platónico pela jovem. Outra personagem de bastante relevância é a sua governanta que recorda cenas tórridas entre os dois no passado e que continua, em silêncio, apaixonada e fiel ao seu senhor.

o amor nos tempos de cólera4.  O amor nos tempos de cólera

A novela conta uma história de amor e procura entre Fermina Daza e Florentino Ariza sucedida num povo portuário do Caribe durante  51 anos, nove meses e 4 dias, durante os quais não tiveram qualquer tipo de contato físico. Florentino apaixona-se por Fermina na juventude, porém, o pai desta acaba por os separar e levar para outra cidade para conhecer o seu novo pretendente: Juvenal Urbino. A obra foi adaptada em 2007 para o cinema e teve como protagonista o ator Javier Barém, da atriz brasileira Fernanda Montenegro e a participação musical da cantora Shakira, a pedido do próprio autor.

la-hojarasca35.  A hojarasca

Publicado no ano 1955 é onde se narra pela primeira vez o povo de  Macondo (já referido no ponto 1). Depois da morte de  um homem odiado pelos habitantes doa aldeia, cabe ao patriarca de uma família tratar do seu enterro. Dá-nos três olhares diferentes (três gerações da mesma família) sobre aquilo que é a morte e o que representa.

livro-ninguem-escreve-ao-coronel-gabriel-garcia-marquez_MLB-O-204709756_78196.  O Coronel não tem quem lhe  escreva ( Ninguém escreve ao Coronel)

O Coronel foi um oficial da revolução e espera, durante anos e anos a chegada de uma carta que lhe garantirá o gozo pleno dos seus direitos por ter servido a nação, ou seja, uma pensão. Só com esta ele poderá garantir a sobrevivência da sua família que vive numa extrema pobreza, sobretudo da mulher que sofre de uma doença respiratória. Porém o filho morre e deixa-lhe como herança um galo de lutas que acabará por tornar-se na sua única forma de sustento enquanto a ansiada carta não chega. Escrito em 1961 durante a estadia do autor em Paris, é um exemplo perfeito do retrato da Colômbia da época.

9789722046534_13082301757.  Relato de  um náufrago

Esta história é baseada na história de uma homem náufrago de um navio militar. Corria o ano de 1955 e, por isso, plena era de ditadura militar na Colômbia que tentou abafar a todo o custo a história do resgate deste marinheiro que, depois de 10 dias à deriva na Costa do Caribe a passar fome e sede, acabou por ser socorrido pelos habitantes de um pequeno vilarejo.  É mais uma obra onde se nota bem o “cunho” e a forma como Márquez vivenciava a política no seu país.

foto la mala hora8.  A hora má

Começa por narrar que numa um comerciante de gado, ao tomar conhecimento que a mulher lhe era infiel acaba por matar o seu presumível amante. São os velhos boatos que agora se tornam públicos: traições amorosas e políticas, assassinatos, segredos de família envolvendo filhos bastardos e romances escusos. É uma história passada entre a guerra das guerrilhas e que prova que qualquer “fogo” pode aceder um rastilho de pólvora que desencadeará de novo numa guerra civil. Foi adaptada para cinema pelo realizador brasileiro Ruy Guerra.

68034_7479.  Os funerais da mamã grande

Novamente inspirada na aldeia de Macondo, esta é a história da grande matriarca e soberana absoluta de todo o povoado: a Mamã Grande. Esta mãe, depois um longa vida de 92 anos, recebe as honras de uma santidade e toda a obra relata todo o processo fúnebre desde a sua morte “numa terça-feira de setembro passado”. Para além de ser uma das primeiras obras do novelista também é a que, de todas, coloca maior destaque numa personagem feminina.

500_9789722013864_noticia_um_sequestro10.  Notícia de  um sequestro

É um livro não ficcionado publicado em 1996 e em que o autor analisa detalhadamente o tema do narcoterrotismo, cada vez mais evidente na Colômbia. Há relatos de rapto, prisão e libertação de nove personalidades bastantes conhecidas do país como Diana Turbay, famosa diretora de um programa de notícias.