BANNER SIMPLES

8 1/2 – Os novos talentos e o início da competição

O segundo dia da Festa do Cinema Italiano foi marcado por várias surpresas e novas visões cinematográficas, que marcam o panorama artístico atual do país. Salvo é um dos filmes em competição, e Oltre il Guado foi um dos títulos escolhidos para a secção Altre Visioni, que pretende mostrar correntes cinematográficas alternativas e que querem fugir à “norma” do Cinema contemporâneo.

Salvo – Fabio Grassadonia, Antonio Piazza [2013] 7.5/10

3103

Saiu vencedor na última edição do Festival de Cannes, arrecadando o Grande Prémio da Semana da Crítica. É uma das grandes apostas da 7.ª edição do 8 1/2, este Salvo, da autoria de dois realizadores que começaram recentemente a dar nas vistas no Cinema italiano, e que até hoje, nunca deixaram de trabalhar um com o outro. E no resultado desta parceria, e do talento que une esta dupla, saiu um thriller inteligente e inovador, que abrange muito mais do que apenas os elementos característicos desse género cinematográfico.

Consegue ser, ao mesmo tempo, uma história de gangsters que reflete ainda o grande peso que as organizações criminosas têm no dia a dia de muitas cidades italianas, e uma história de amor improvável que une Salvo, um assassino contratado (Saleh Bakri) e a irmã de uma das suas vítimas (Sara Serraiocco), uma jovem mulher cega que, no momento mais inesperado, recupera a sua visão. Por causa dela, Salvo perde a sua atitude pouco escrupulosa e decide, defendâ-la das garras dos seus chefes mafiosos. É importante não esquecer que ainda podemos ver, num papel mais secundário, o ator Luigi Lo Cascio (o protagonista do maravilhoso épico A Melhor Juventude) numa interpretação brilhante que reflete o medo do cidadão comum em relação aos criminosos que dominam a vida quotidiana.

Aqui começa uma odisseia de tensão e suspense, muito bem construída pelos mais profundos silêncios da lenta narrativa, muito mais violentos do que as próprias sequências físicas que envolvem os conceitos de morte e pancadaria, e que não necessitam de quaisquer efeitos especiais. Sucedem-se acontecimentos fatais, para o rumo que o protagonista decide seguir, e que não necessita de muitas palavras para nos dar a sentir todas as angústias e receios que o preocupam constantemente, e que disfarça através da sua postura rude, distante e ameaçadora, que amedronta qualquer inocente que se cruza com ele.

Sufocante e arrepiante, Salvo tenta sempre desviar-se dos clichés, não querendo dizer aquilo que o espectador está à espera. Tem um par de memoráveis personagens, e um impressionante trabalho de fotografia, que utiliza tons escuros e frios para realçar a trama. Apesar de ter algumas incongruências que quebram o ritmo do filme, não deixa de ser uma peça curiosa que mostra o talento de dois novos realizadores que, daqui para a frente, poderão evoluir e alcançar novos feitos para o Cinema italiano. Faz parte da secção Competitiva, e volta a ser exibido dia 15, terça-feira, às 21:30.

Across the River (Oltre Il Guado) – Lorenzo Bianchini [2012] – 7.5/10

oltre_il_guado_across_the_river_immagini3_76f424c19d049363eb0ab03736bb97cc

A hora (23:00) foi a mais apropriada para exibir este filme de terror,  numa sessão que contou com a presença do realizador, que respondeu às mais variadas questões sobre a execução deste Oltre Il Guado. Sendo um dos expoentes máximos do atual Cinema independente que se faz em Itália, Lorenzo Bianchini tornou-se um perito em contar histórias assustadoras ao longo da sua carreira, especializando-se numa visão mais alternativa, mas não menos interessante, que aborda temas recorrentes do género de uma forma inovadora.

Uma história sobre solidão, fantasmas do passado e acontecimentos inexplicáveis (que todo o bom filme de terror tem de possuir), assente em poucos diálogos escritos, e em muita inquietudo cinematográfica. O protagonista é um etólogo naturalista que explora a vida animal dos bosques dos Alpes, utilizando câmaras de vídeo para registar os comportamentos e atitudes de várias espécies, onde se encontram alguns predadores selvagens. Mas de repente, as gravações de um pequeno dispositivo escondido numa raposa levam-no a uma série de mistérios, que nos levam a compreender que, afinal, os verdadeiros predadores não se encontram só no meio da natureza…

As intenções de Lorenzo Bianchini são evidentes, tal como as influências que o levaram a criar esta história (notam-se alguns elementos de The Shinning, de Stanley Kubrick), baseada na vida das pequenas aldeias italianas e no dia a dia das suas populações. Mas o principal objetivo é assustar o espectador com o mais banal instinto da natureza e com o medo humano irracional, que no fundo, acaba por ser também o nosso próprio medo, acompanhado pelas manipulações a que o ser humano pode ser induzido, e que lhe podem custar a vida.

O poder das imagens gravadas e dos mistérios que pretendem revelar dão uma força maior a esta história grotesca, e bem elaborada, sobre uma aldeia perdida do resto do mundo, mas encontrada obsessivamente pelos fantasmas que se aproveitam dos inocentes que lá vivem. E se, ao contrário de Salvo, este filme não se destaca tanto pelas qualidades técnicas, o conteúdo, no entanto, é mais incisivo, e faz o espectador ficar colado à cadeira até aos minutos finais da narrativa. Seguindo os padrões de terror convencionais, a fita consegue ser mais interessante do que passa a imagem criada pelos filmes mais vulgares do género. Oltre Il Guado pode ser visto de novo na Festa do Cinema Italiano já amanhã, domingo, dia 13, às 21 horas.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
Twin Peaks
Séries dos anos 90 que mudaram a televisão e se tornaram clássicos