José Cid

Viagem no tempo e no espaço com José Cid

É já hoje que José Cid fará o impensável: pela primeira vez tocará na íntegra o mal acolhido 10.000 anos depois entre Vénus e Marte, disco editado em 1978 e cujo exemplar vale hoje largas centenas de euros.

15 de maio 1978, Portugal

Depois de um longo meio século de ditadura, o país conhece devagarinho a estabilidade democrática, o FMI vem pela primeira vez resgatar a situação económica do rectângulo e o rock vai entrando devagarinho na casa dos portugueses. Rui Veloso só haveria de editar Ar de Rock com a famosa Chico Fininho, dois anos mais tarde. Mas José Cid, que disse já que “Se o Rui Veloso é o pai do rock português eu sou a mãe“, conhece já uma carreira assinalável com o Quarteto 1111 e com os Green Windows.

Já sozinho compôs um disco que é uma viagem de rock sinfónico espacial, com a colaboração do guitarrista Mike Sergeant, do baterista Ramon Galarza e do baixista Zé Nabo. Os instrumentos, nave espacial para a viagem, foram essencialmente o mellotron (teclado electromecânico), muitos sintetizadores e um bom suporte de guitarras, baixo e bateria.

Jose_Cid-10_000_Anos_Depois_Entre_Venus_E_Marte

10.000 Anos Depois entre Vénus e Marte

Com o selo da lendária Orfeu, 10.000 anos Depois entre Vénus e Marte, mais do que 39 minutos de música, é uma viagem no tempo e no espaço. Narra a história de um homem e de uma mulher que 10.000 anos depois da auto-destruição da humanidade, regressam à Terra para a repovoar novamente.

É prog rock, ópera rock e space rock. Um disco conceptual cujo tom e letras remetem para um universo pós-apocalíptico e para uma meditação acerca do passado da humanidade e a esperança de uma reconstrução próxima. É, diríamos, tão actual como hoje.

É ainda uma peça de arte: o vinil, com capa gatefold, vinha acompanhado por um livro de 6 páginas, com uma banda desenhada de cores intensas, remetendo o ouvinte também para uma leitura reflexiva da humanidade.

Não vendeu. A crítica olhou-o com desconfiança, o público português, com os ouvidos ainda mal treinados, não o terá compreendido. Foi esquecido.

10.000 anos depois entre vénus e marte

A passagem do milénio

Na elaboração de listas de fim de milénio as revistas americanas Billboard e Q nomeiam 10.000 Anos Depois entre Vénus e Marte como um dos melhores discos de rock de sempre.

O disco é então reeditado pela Movieplay em formato CD e torna-se um ícone do rock progressivo em Portugal. Em 2004 a editora sul-coreana M2U Records reeditou o disco (em 1994 a americana Art Sublime tinha editado 500 luxuosos exemplares nos Estados Unidos), levando-o assim para outras coordenadas. A procura desenfreada ao vinil original não tem parado e hoje,  no ebay, tem preços a partir dos 325 euros.

11 de abril de 2014, Portugal

Depois de intensos ensaios José Cid pisará o palco da Aula Magna para apresentar ao vivo, pela primeira vez na vida, o disco que o colocou nas bocas do mundo. Em entrevista à RTP diz que isso o fez sentir que tinha de um dia o tocar. Chegou o dia.

Além da totalidade dos sete temas que compõem o registo original, o cantor  interpretará com um conjunto de músicos convidados, também alguns temas do seu próximo registo de rock sinfónico Vozes do Além e um tema do seu primeiro álbum  Onde Quando Como e Porque Cantamos Pessoas Vivas.

http://youtu.be/13s4NdT3lhs

A viagem começa às 22 horas e adivinha-se inesquecível. Os poucos bilhetes ainda disponíveis para a galeria da Aula Magna estão à venda nos locais habituais e custam 25 euros.

No sábado José Cid toca 10.000 Anos Depois entre Vénus e Marte na Alfândega do Porto.

*Este artigo foi escrito, por opção da autora, segundo as normas do Acordo Ortográfico de 1945

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
The Handmaid's Tale
‘The Handmaid’s Tale’ estreia em televisão