Com o avanço da tecnologia de Realidade Aumentada isto já estava a demorar muito.

A Google acabou de lançar um desafio para quem sempre foi apaixonado pelo mundo Pokémon: agora, se fores um verdadeiro Mestre, se o teu lema é “vou apanhá-los todos” e se sabes todos os truques para vencer a Liga, podes concorrer a uma vaga na Google.

Não acreditas? Então vê este vídeo que a Google lançou para chamar candidatos a esta vaga:

Ainda não acreditas? Eu tive a mesma reação. Não é fácil acreditar que o sonho finalmente se tornou realidade; nós crescemos na esperança que isto um dia acontecesse e, agora, chegou o dia! Pega no teu smartphone ou tablet, de preferência num smartphone por ser mais portátil, logo mais fácil de transportar e de usar para capturar todas as criaturas.

Preparado? 1…2…3… vai!

Ainda estás ai? Ainda não acreditas que isto possa ser realidade? Ainda estás com a cabeça à roda?

Então senta-te e respira, porque… esta foi a partida de Dia das Mentiras da Google.

Na verdade, não é a primeira vez que a gigante de pesquisa faz algo do género, tendo já recorrido à piada de que o Youtube iria fechar, por ter encontrado um vencedor, ou ainda a a possibilidade de um novo serviço Google, o Nose, uma aplicação que transformaria sinais elétricos em cheiros para que os utilizadores pudessem desfrutar dos cheiros do que pesquisavam, desde flores à sua comida favorita.

E eu, confesso, quase que cai em ambas. A verdade é que nos escritórios da Google a inovação é encorajada, e ideias loucas são patrocinadas porque é com a liberdade de explorar que se alcançam os momentos Eureka!

Google Maps Pokémon

Mas, infelizmente, para o geek que há dentro de mim, não há Pokémon Challenge para ninguém! Pelo menos em toda a sua grandeza; se bem que, verdade seja dita e louvados sejam os geeks nerds que habitam os escritórios da Google, se tiveres um smartphone/tablet com a aplicação do Google Maps instalada (e presumo eu, atualizada) podes clicar na barra de pesquisa e um pequena notificação aparecerá por baixo de maneira a que possas ver um mapa onde estão os Pokémons mais próximos de nós.

Nos Estados Unidos estão perto do Googleplex, o campus da Google  em Palo Alto; já na Europa estão localizados, pelo menos os mais visíveis, perto do CERN, a Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear.

Mas a parte que é mesmo interessante falar aqui para aqueles que não têm interesse em Pokémon (esses hereges!) é o facto de que seria extremamente interessante e uma evolução fantástica no mundo dos videojogos se o tipo de interatividade que é proporcionada pela Realidade Aumentada, como mostra o vídeo.

Realidade Aumentada Pokémon

E o que é a Realidade Aumentada?

Bem, de forma muito simplificada, é a integração de elementos virtuais num ambiente real. Mas se quiseres uma descrição um pouco mais detalhada a Wikipédia tem isto a dizer:

Realidade Aumentada (RA) é a integração de informações virtuais a visualizações do mundo real. Atualmente, a maior parte das pesquisas em RA está ligada ao uso de vídeos transmitidos ao vivo, que são digitalmente processados e “ampliados” pela adição de gráficos criados pelo computador.

Tendo em conta que este tipo de interatividade exige muito ao dispositivo que está a introduzir as imagens computorizadas na tua visualização da realidade, isto é, um vídeo ou uma transmissão em direto, a tecnologia que temos hoje em dia no mercado ainda tem muito para crescer até que isto seja um dia uma realidade mais próxima, mas já há algumas novidades:

Projeto Tango

A Google tem revolucionado a forma como vemos o mundo. Se não acreditas pensa na forma como o Google Maps mudou a tua forma de pesquisares um café na cidade onde vais passar a próxima semana. Agora a Google está a revolucionar a forma como medimos e registamos o mundo.

Project Tango está numa fase inicial, ainda só disponível para um grupo muito seleto de developers, mas espera-se que a sua evolução mude a forma como percecionamos a realidade à nossa volta. O projeto pode ser aplicado de formas muito diversas: desde estudar as infraestruturas de edifícios abertos ao público de forma a informar possíveis utilizadores com mobilidade reduzida que o edifício, infelizmente, não inclui rampas ou elevadores; ou poderá ainda ser utilizado pelo utilizador mais comum para perceber, de forma muito mais instantânea, o ângulo da subida que irá fazer no seu percurso de jogging ou de bicicleta.

Há uma infinidade de utilidades para este serviço, muito para além dos videojogos, pode ter real influência na forma como se definem políticas públicas ou como se dividem orçamentos regionais ou municipais. A tecnologia ao serviço da comunidade.

Mas há ainda outra novidade que pode ser mais pedagógica do que muitos têm pensado.

Oculus Rift

Há já algum tempo que se conhece o conceito de realidades virtuais, seja através de visualizações 3D de sítios que não nos é possível visitar fisicamente, seja através de algum jogo em que emergimos; agora a diferença é a qualidade dos sistemas.

O Oculus Rift é um aparelho que inclui uma câmara ocular onde, através de ligação WiFi a um computador ou televisão tens acesso ao uma visão multidimensional do universo que estás a ver; pensa assim: se olhares para cima, vais ver o teto da casa onde estás no jogo X, se olhares para baixo, vais ver os pés da personagem que escolheste. É uma imersão completa em universos virtuais diferentes.

Fica com o vídeo dos criadores para conheceres mais:

Uma das ideias para este tipo de tecnologia, para além da sua óbvia rentabilização em videojogos, é a sua utilização nas escolas, para dar aos estudantes a possibilidade de numa aula de ciências poderem visitar uma realidade virtual, explorável, do planeta Terra no tempo dos dinossauros, ou numa aula de história, visitar e interagir com a corte italiana, incluindo Da Vinci e Miguel Ângelo, na época do Renascimento.

O mundo da modelação 3D está a evoluir a passos largos, assim como estão cada vez mais disponíveis as tecnologias e os conhecimentos que possibilitam a quem deseja desenvolver algo interessante, educativo e/ou revolucionário o poder fazer e trazer ao mundo inovação.

E tu, de que formas gostarias de ver usadas estas tecnologias?

Deixa as tuas ideias na caixa de comentários e até para a semana.

PS: Ainda sobre os Pokémons, há mais do que um em Lisboa e no Porto. Boa sorte a apanhá-los todos.