As 37 canções para o Festival Eurovisão da Canção 2014 estão escolhidas. A Rússia e a Áustria foram os últimos países a anunciar as suas selecionadas. Estamos oficialmente em fase pré-eurovisiva. A polémica já anda à solta por aí e é internacional, mas é isso mesmo que dá colorido ao programa favorito dos europeus! 

A Áustria aposta na polémica Conchita Wurst. Ou polémico. O drag queen Tom Neuwirth conseguiu finalmente chegar ao Festival da Eurovisão, num número que se pode aproximar das artes circenses e das populares mulheres barbudas, uma vez que Conchita é um dos poucos travestis do mundo com uma frondosa barba. Mas é a música que interessa, não é? Soa a música dos filmes de James Bond e é um hino de superação, bem interpretado e capaz de dar uma boa performance televisiva. A diferença visual trazida por Conchita já motivou petições na Rússia e Bielorrússia, onde vários telespectadores querem censurar a transmissão da canção austríaca. Tudo deve ficar bem se nos sentirmos bem connosco próprios, e Conchita parece muito bem na sua própria pele.

As gémeas Tolmachevy voltam em representação da Rússia e continuam a resultar muito bem. A vitória conseguida em 2006 no Festival Eurovisão da Canção Júnior não se deve repetir, mas temos aqui um tema com feeling e que vem dar seguimento às várias representações positivas da Federação Russa. É catchy e tem as gémeas mais giras da edição, ultrapassando de longe os Twin Twin franceses neste ranking. Talvez não venham 12 pontos da Ucrânia, mas os companheiros habituais de Leste vão fazer a sua parte para mais uma boa pontuação, que a diplomacia tem um peso muito relativo aqui. A letra tem pormenores curiosos: «Can you be a masterpiece of love/ Sending out a message out above / Telling all the world to show some love».

Breves

– A União Europeia de Radiodifusão (UER) anunciou regras mais rígidas no apuramento do televoto e divulgação dos votos de cada um dos cinco júris nacionais. Para tornar tudo percetível pelos espectadores fez ainda um vídeo explicativo de como o processo todo decorre. É elucidativo e simples de entender. Pelo menos um bocadinho mais que os sistemas de votação do Festival RTP da Canção. Ora vê:

– O diretor de programas da RTP, Hugo Andrade, veio defender que Suzy cante só em português na Eurovisão, contrariando a ideia bilingue de Emanuel. Tendo em conta que se trata de uma música de verão para pôr o pessoal a dançar não faria mais sentido dar-lhe dimensão internacional na letra? É que não é propriamente um hino étnico e tradicionalmente português que deva manter a autenticidade da língua. Bem, talvez seja só mais uma estratégia para obter maus resultados.

– As apostas estão a mudar e a Arménia surge como favorita para este ano, segundo o Oddschecker. Seguem-se Suécia, Noruega, Hungria e Bélgica. Portugal está em último, mas orgulhosamente em português.

Suíça e Finlândia têm novas versões das músicas, naquele que deve ser o mix final para o Festival da Eurovisão.

– A Roménia apresentou uma versão acústica do tema Miracle, que começa a subir nos tops dos eurofãs. Paula Selling volta e mostra que é mesmo uma vocalista irrepreensível.

– A RTP revelou os resultados finais do televoto na final do Festival da Canção. Suzy obteve 41,56% das preferências e os opositores da canção vencedora voltaram a referir que estes resultados são a prova de que se tratou de uma votação fraudulenta e na qual ocorreu injeção de votos por parte dos produtores desta última. Estes mesmos apoiantes invocam dados, até agora não divulgados oficialmente, que indicam que com o sistema de um voto por telefone utilizado na semifinal, as coisas foram diferentes, com Quero ser tua em quinto lugar. Emanuel dará uma conferência de imprensa esta quinta-feira para esclarecer o assunto.