O Art Vision – Women and Architecture premiou a arquiteta Inês Lobo com o valor de 50.000 euros e ainda a possibilidade de estagiar durante quinze dias na multinacional que que organiza o prémio.

Os membros do júri, entre os quais se destacava Kazuyo Sejima, um dos membros do ateliê SANAA de arquitetos japoneses, e Martha Thorne, diretora do Pritzker, um dos mais importantes prémios de arquitetura, consideraram a portuguesa como sendo uma “arquiteta versátil” e que a mesma consegue “atacar criativamente problemas arquiteturais numa grande variedade de escalas no tecido urbano.”

A arquiteta declarou ao Archdaily, uma plataforma online de arquitetura, que o prémio é importante e “com uma visão internacional, e também porque sublinha que ainda é difícil ser mulher e ser arquiteta.” Revela também que vai dedicar o prémio  “a todas as pessoas que fazem crer que a arquitetura é uma maneira poderosa de construir um mundo melhor para todos, independentemente de serem homens ou mulheres.”

Inês Lobo formou-se na Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa e esteve já envolvida em vários projetos de diferentes áreas de trabalho, tanto à construção de equipamentos e habitação como a requalificação de edifícios e espaços públicos.

Entre 2007 e 2008 esteve também envolvida num projeto de reutilização da Escola Secundária Avelar Brotero, em Coimbra. Em 2009 esteve presente na representação oficial portuguesa na Bienal Internacional de Arquitetura em São Paulo, no Brasil, e em 2012 participou na Bienal de Arquitetura de Veneza, como comissária geral da representação de Portugal.