O filme 12 Anos Escravorealizado por Steve McQueen, saiu vencedor da categoria principal na última cerimónia de atribuição dos Prémios da Academia das Artes e Ciências de Hollywood. Mas agora sabe-se, graças ao jornal Los Angeles Times, que dois votantes dos Oscars escolheram o filme sem sequer o terem visto, optando por este nomeado pela “importância social” das suas temáticas.

Os dois membros da Academia, obviamente mantidos no anonimato, revelam assim uma prova para algumas das suspeitas que os media têm criado à volta da atribuição do prémio mais aguardado da noite a 12 Anos Escravo , começando logo pela referência humorística da apresentadora da cerimónia Ellen DeGeneres (“Hipótese n.º 1: 12 Anos Escravo ganha o Oscar de melhor filme esta noite. Hipótese n.º 2: vocês são todos racistas.“).

A teoria de que o filme de Steve McQueen – realizador de Fome e Vergonha – saiu vencedor graças não ao seu conteúdo, mas aos aspetos relevantes e polémicos que orientam a sua narrativa, começou a ganhar novas proporções. Além de terem votado em 12 Anos Escravo apenas pela sua abordagem a temas inerentes à História dos EUA, o Los Angeles Times ainda acrescenta que os “dois votantes dos Oscars” não viram o filme “porque temiam o caráter incomodativo” do mesmo, escolhendo-o entre os nove nomeados para a categoria por se sentirem nessa obrigação, “dada a relevância social” da fita.

Já no mês passado, a publicação Hollywood Reporter citou uma votante da Academia que admitiu não ter visto 12 Anos Escravo por não querer “meter mais coisas horríveis na cabeça”, acrescentando que sempre se sentiu incomodada com “filmes violentos“, uma das características essenciais da obra de Steve McQueen.