O novo projeto de Darren Aronovsky, realizador de Cisne Negro e O Wrestler, continua sob grande polémica. Depois de já ter criado algumas divergências entre a comunidade cristã, o filme Noé foi agora banido nos países árabes.

Barein, Qatar e Emirados Árabes Unidos anunciaram que o épico bíblico não irá estrear nas suas salas e Egito, Jordânia e Kuwait poderão replicar a decisão, anunciou um representante da Paramount. Do Cairo veio também um comunicado saído da Universidade de Al-Azhar, a universidade islâmica mais antiga do mundo, afirmando que Noéprovoca os sentimentos dos crentes (…) está proibido no Islão e viola claramente a lei islâmica” e que não se admite “qualquer ato representando os mensageiros e profetas de Deus e os companheiros do Profeta (Maomé)”.

Relembre-se que nos EUA Noé foi alvo de alguma polémica dentro da comunidade cristã, pois é acusado de se ter afastado da história narrada no Antigo Testamento. A Paramount, em resposta, incluiu a seguinte frase nos materiais de promoção do filme: “Este filme é inspirado na história de Noé. Apesar das liberdades artísticas que possam ter sido tomadas, acreditamos que é fiel à (…) história que constitui a base da fé de milhões de pessoas.”

Noé chega às salas portuguesas a 10 de abril e conta com realização de Darren Aronovsky e um elenco composto por Russell Crowe, Jennifer Connelly, Emma WatsonAnthony Hopkins.