Turismo Infinito_TUNA01 - L_460-252

Dia Mundial do Teatro é celebrado com cinco estreias no Teatro Nacional São João

O Teatro Nacional São João assinala o mês do Teatro com cinco estreias, O Segundo Raio de Luz de Luar, O Filho de Mil Homens, al mada nada, Paus e Petálas e Até comprava o teu amor (mas não sei em que moeda se faz esta transacção), e a reposição de Turismo Infinito.

No dia 26 de março, vai haver sessão dupla no TNSJ, com duas encenações de Ricardo Pais dedicadas a Fernando Pessoa e Almada Negreiros, respetivamente. Turismo Infinito, uma peça de António M. Feijó, dá início às comemorações na véspera da efeméride, às 21h30m. A estreia de al mada nada, que conjuga espetáculo e dança urbana, começa às 23h30m no mesmo espaço, proporcionando o “feliz reencontro dos atores João Reis, Emília Silvestre, Pedro Almendra, José Eduardo Silva e Luís Araújo. O preço dos bilhetes é de 16€ (plateia e tribuna), 12€ (balcão e frisas), 10€ (balcão e camarotes primeira ordem) e 7,50€ (terceiro balcão e camarotes segunda ordem).

Outra estreia é O Segundo Raio de Luz de Luar, baseado na obra de Fernando Pessoa, com texto e direção artística de António M. Rodrigues, sendo uma estreia absoluta no ano em que se celebra os cem anos da criação dos heterónimos. Este é um espetáculo coproduzido pela Eclipse Arte – Associação Cultural, que se encontrará em cena de 12 a 16 de março no Mosteiro de São Bento da Vitória, apresentando uma “singular criação performativa situada algures entre o teatro e a dança, entre a centralidade da palavra e a poesia dos corpos em movimento”. O preço dos bilhetes é de 12€.

A partir de 20 de março sobe ao palco a quarta produção do Teatro Bruto a partir de histórias de Valter Hugo Mãe que, através de um convite da companhia, é também dramaturgo. A peça chama-se O Filho de Mil Homens e estará em cena até dia 30 de março, com encenação e adaptação de Ana Luena. “A história de Crisóstomo – um homem que, chegando aos quarenta anos, lida com a tristeza de não ter tido um filho – e da sua família inventada”. O preço dos bilhetes é de 10€ para o balcão e 15€ para a plateia.

Paus e Petálas, uma coprodução do TNSJ, Circolando, São Luiz Teatro Municipal e Centro Cultural Vila Flor, tem a sua estreia dia 21 de março no Mosteiro de São Bento da Vitória, onde permanecerá até 30 de março. Um espetáculo que aborda o amor, com interpretação de André Braga e Ainhoa Vidal, “que são um homem e uma mulher, um casal de todos os tempos. Dois corpos em movimento, com os seus modos silenciosos de contar os versos e os reversos do amor, no interior de uma casa-cidade demolida, paisagem cénica de onde se avista a desagregação de um país, de uma vida, de uma relação”. O preço do bilhete é de 12€.

O al mada nada, o novo espetáculo de Ricardo Pais que homenageia Almada Negreiros, alia a representação à dança urbana, contando com a participação dos Momentum Crew, um grupo de b-boys reconhecidos internacionalmente, mantendo-se em palco até dia 29 de março. “Desde que me conheço nunca pisei o risco fora daquilo que não fosse comunicação”, uma afirmação proferida por Almada Negreiros que pode servir de divisa a este espetáculo. O preço dos bilhetes é de 16€ (plateia e tribuna), 12€ (balcão e frisas), 10€ (balcão e camarotes primeira ordem) e 7,50€ (terceiro balcão e camarotes segunda ordem).

O Teatro do Vestido volta a integrar a programação do TNSJ com a peça Até comprava o teu amor (mas não sei com que moeda se faz esta transação), com seis atores que no Palácio Pinto Leite se ocupam de guiar o público pelas diferentes divisões, à medida que recitam monólogos escritos por Joana Craveiro. O espetáculo estreia no Dia Mundial do Teatro e ficará em palco até 6 de abril, “para falar sobre as possibilidades e impossibilidades do amor num contexto em que tudo o resto parece faltar”.

Para mais informações contacte a central de informação.

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
la casa de papel
‘La Casa de Papel’. O que esperar da quinta e última temporada