O novo produto artesanal de Idanha-a-Nova, a Cerveja Templária, foi criada pelo empreendedor Gildo Fortes com inspiração na vila medieval do distrito de Castelo Branco.
O empresário, recém licenciado em Marketing, lançou-se ao desafio de descobrir qual o produto que faltava para dinamizar o turismo na região de Idanha-a-Nova. Como conta ao site Boas Notícias, foi aí que percebeu que “numa altura em que o artesanato e a tradição têm alguma importância, a cerveja fabricada artesanalmente era um produto que faltava”.
Gildo Fortes iniciou a aprendizagem de produção de cerveja artesanal e também a escolha do nome para o novo produto da terra. Devido à vertente histórica e raízes templárias da região, a tarefa foi facilitada e o nome ficou pela primeira escolha, ‘Templária’.
O criador da cerveja explicou ainda que “há uma grande diferença da cerveja artesanal para a cerveja industrial. É uma bebida muito mais compacta, a cor é mais opaca, podemos melhorar o gosto – torná-lo mais ou menos flora -, provar o sabor do mel e do cereal” e que esta  não puxa muito a aromas, vive da própria cevada, o que faz com que, depois de beber, se fique com um paladar muito agradável”. Pontos positivos para a cerveja artesanal, e para a “Templária”, que pelas notas suaves que apresenta, é bastante apreciada pelo universo consumidor feminino.
Para o projeto poder ser realizado, foi feito um investimento pessoal que rondou os 2.500 euros, incluindo viagens, formações em Espanha e na Alemanha e ainda todos os componentes envolvidos na produção artesanal da cerveja. Para concluir a elaboração da nova cerveja, esta foi apresentada ao presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jaciento, que “ficou muito satisfeito e até interessado em apoiar a iniciativa”.
Para além da nova bebida ter a possibilidade de integrar o projeto ‘Terras de Idanha’, uma marca registada pela autarquia que engloba produtos típicos do concelho e os coloca à venda, a cerveja vai impulsionar ainda a construção  de um parque temático templário e do Hotel do Templo, a antiga casa de Marrocos. 
Depois dos processos burocráticos que se seguem, como a licença e  a apresentação oficial, as previsões apontam para que a ‘Templária’ passe a ser comercializada já a partir do segundo semestre de 2014, com produções apresentadas em feiras de Idanha-a-Nova.