Teve início, nesta quarta-feira, a 33.ª edição da Feira Internacional de Arte Contemporânea da capital espanhola, ARCO Madrid. O evento conta com a participação de aproximadamente 160 galerias, provenientes de 25 países (com especial foco na Finlândia), 13 das quais são portuguesas.

Organizada pela Feira de Madrid (IFEMA), o certame vai decorrer até ao dia 23 de fevereiro. A  ARCO Madrid recebeu 140 mil visitantes em 2012, tendo a sua afluência decrescido para 118 mil em 2013. A organização apresenta uma atitude otimista em relação às vendas desta edição dada a recente decisão do Governo espanhol de baixar o IVA para 10% na compra de arte. Segundo a organização, este ano foram ainda convidados cerca de 150 directores de museus e curadores de arte provenientes de todo o mundo.

Fermín Lucas, diretor-geral da IFEMACarlos Urrozdiretor da feira e Pedro Cera, representante português no comité de seleção das galerias, sublinharam no final de janeiro (altura em que a organização esteve em Lisboa para apresentar a atual edição) as expectativas elevadas das galerias que vão participar no certame. Segundo Pedro Cera, também galerista, “o mercado espanhol de arte tornou-se fundamental para muitas galerias portuguesas e as melhorias económicas registadas nos últimos meses elevaram as expectativas”.

Uma peça de Pedro Cabrita Reis, artista plástico português, na última edição da Arco, em 2013

Uma peça de Pedro Cabrita Reis, artista plástico português, na última edição da Arco em 2013

Em relação a Portugal, o país terá onze galerias no programa geral e duas na secção Opening. As galerias presentes no programa geral são a Carlos Carvalho Arte ContemporâneaBaginski, Cristina Guerra, Filomena Soares, Graça Brandão, Pedro Cera e Vera Cortés, de Lisboa, Quadrado Azul e Galeria Múrias Centeno, do Porto, Mário Sequeira, de Braga, e Fonseca Macedo Arte Contemporânea, de Ponta Delgada. Já na secção Opening, destinada a galerias com menos de sete anos, vão estar representadas a 3+1 Arte Contemporânea e a Belo-Galsterer, ambas de Lisboa.

Uma visão ampla da arte contemporânea da Finlândia vai ainda ser apresentada ao público através de uma parceria que a organização estabeleceu com a Fundação Frame e a embaixada finlandesa da capital espanholaOs Estados Unidos, Reino Unido, França, Holanda, Itália, Dinamarca, Brasil, Argentina e Áustria, entre outros, vão também marcar presença.