A Associação Portuguesa de Críticos atribuiu ao festival de teatro o Prémio da Crítica. O festival, este ano, terá lugar entre 4 e 18 de julho e é apontado como “um caso exemplar do teatro português”.

Segundo o jurí do prémio, constituído por Emília Costa, João Carneiro, Maria Helena Serôdio, Rui Monteiro e Samuel Silva, o Festival de Almada “reuniu muito daquilo que de melhor e de mais interessante foi sendo produzido em Portugal e fora dele”. “A qualidade tem estado em incessante progressão, e a relação com o público é um modelo de funcionamento social das práticas artísticas”, acrescenta o júri, salientando ainda que “tudo tem sido feito, contudo, sem concessões a populismo e gigantismo megalómano, e sem recurso à legitimação social e política que, em muitas das actuais políticas culturais, assenta essencialmente em pressupostos mercantilistas e quantitativos”.

O júri atribuiu ainda três Menções Especiais: dois dos espetáculos premiados – Ah os dias felizes, de Samuel Beckett, encenação de Nuno Carinhas, pelo Teatro Nacional São João; e Rei Lear, de William Shakespeare, encenação de Marcos Barbosa, pelo Teatro Oficina – estiveram em cena no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Dezembro de 2013 e Janeiro de 2014, respetivamente.