The Internet of Things (ou TIOT para os amigos) será um novo espaço no Espalha-Factos dedicado às novas tecnologias, à análise do impacto que estas têm no nosso quotidiano e a previsões, mais ou menos acertadas, do que será o nosso futuro próximo. Podes também contar com algumas dicas e ideias para estares a par do que se vai passando neste grande mundo das internets.

Mas, primeiro que tudo, o que é esta coisa da Internet of Things?  Segundo Kevin Ashton, apelidado como o criador deste conceito , a “Internet das Coisas” baseia-se na seguinte ideia:

Se tivéssemos computadores que soubessem tudo o que há para saber sobre as coisas que nos rodeiam – usando dados recolhidos sem necessidade da nossa intervenção – seriamos então capazes de gravar e contabilizar tudo, reduzindo assim o desperdício, as perdas e os custos.

Saberíamos então quando é que as coisas precisavam de ser substituídas, reparadas ou devolvidas, assim como se estavam frescas e em boas condições ou se já tinham ultrapassado o seu pico“. 

Fonte: Techopedia | “Internet of Things (IoT)

Assim, com as apresentações já feitas, passemos ao que te trouxe aqui: de que forma podes fazer um upgrade ao teu CV?

Faz um upgrade aos teus conhecimentos para não ficares para trás!

Como sabes, hoje não basta ter um percurso académico interessante para ser aceite no trabalho dos teus sonhos. Agora, e cada vez numa maior escala, tens de ter em consideração o que te destaca da outra centena de CV que estão empilhados na secretária do responsável de RH (Recursos Humanos) daquela PME (Pequenas e Médias Empresas) onde gostavas de trabalhar.

Assim sendo, aqui seguem as nossas 3 sugestões de tech skills  que podem fazer com que te destaques entre todos aqueles CV:

1 – Gestão de Redes Sociais

As empresas, especialmente as PME, estão a aproveitar as redes sociais quer como forma de contacto com os seus clientes, quer como via para se publicitarem quer para angariarem mais clientes; assim sendo, e em época de crise, para muitas destas PME a ideia de contratar uma empresa de comunicação para se ocupar dessa parte do seu plano de marketing não é sequer considerada.

Tens de saber como criar uma relação duradoura com os clientes e como encontrar novos.

Não, não tens de ter um curso superior em Marketing Digital para poderes ser útil e ajudar a criar e a defenderes a marca/ideia que te emprega.

Entre os vários tutoriais online, uns gratuitos e outros não, os vários blogues e sites dedicados ao assunto e ainda uma certa dose de bom senso teres conhecimentos sobre boas práticas e estratégias inteligentes de gestão de redes sociais, não te irá certamente prejudicar enquanto parte de uma equipa.

2 – Blogging

Se cresceste nos anos 90, de certeza que conheces pelo menos uma pessoa que tinha um blogue dedicado a falar de como tinha sido o prato na hora da almoço na cantina do escola. Ou onde a pessoa insistia em colocar um poema que lhe parecia excelente, mas que hoje esconde numa gaveta, fechado a sete chaves!

É verdade: o Blogger (ou o WordPress para os mais indie) foi para os jovens portugueses (e de todo o mundo) uma plataforma de muitos amores e desamores, e foi também por isso que muitos depois se afastaram, olhando hoje com desconfiança para a arte de blogging.

A criação de conteúdos escritos é transversal a todas as áreas de negócios.

O que muitas empresas começaram agora a perceber que ter um site super formal não é a estratégia mais eficaz de comunicação com a sua base de clientes. Tendo em conta também que as redes sociais, especialmente as mais usadas em Portugal: Facebook e Twitter, têm as suas limitações em termos do número de caracteres possíveis de utilizar, cada  vez mais o blogging é uma opção a considerar para criar laços mais longos com a comunidade que gosta mesmo do produto/serviço que oferecem.

Se tens habilidades de escrita, podes sempre propor à pessoa que te está a fazer a entrevista que visite o post que fizeste no teu blogue sobre como esperas mesmo trabalhar naquela empresa, mostrando em que podes ajudar.

Quando fores aceite propõe que se crie um blogue onde funcionários possam escrever sobre inovações que a vossa empresa está a implementar e onde os clientes possam deixar as suas experiências. É grátis, rápido, relacional e, se bem feito, eficaz!

3 – Cultura visual

A não ser que te tenhas andado a esconder debaixo de uma pedra nos últimos anos de certeza que já ouviste falar de redes sociais cujo o principal conceito é agregar imagens dos utilizadores por temas/álbuns/assuntos/… Sim, adivinhaste, estou a falar do Pinterest.

Mas, pensas tu: de que é que me serve ter cultura visual se estou a trabalhar numa PME que produz artigos de casa de banho?

Serve para seres mais eficaz e moderno na forma como queres vender esses artigos de casa de banho. Já chega de ver imagens com Comic Sans ou grandes desastres de photoshop a desacreditar as páginas, quer nas redes sociais, quer nos websistes das empresas.

Conhecer o que é trendy e o que não é faz a diferença ao definir uma estratégia de comunicação

Na verdade, esta tech skill deve estar associada às duas anteriores, se vais ser útil na forma como a PME, que teve a sorte de te contratar, comunica com os seus clientes e apresenta os seus produtos ou serviços, deves fazê-lo de uma forma moderna. Se seguires, meia dúzia de perfis do Pinterest  e noutras redes do género, de certeza que vais encontrar inspiração e perceber o que podes usar para comunicar de forma interessante e atraente a mensagem que queres passar.

Conclusões

Teres estas capacidades não te garantem um emprego, mas pelo menos sabes que tens capacidades que podes usar em qualquer empresa e ainda, se quiseres experimentar, para te lançares a ti como empresário.

De qualquer maneira, o conhecimento mal não te vai fazer.

Então, podemos considerar o lançamento do The Internet Of Things um sucesso? Dá o teu feedback nos comentários.


Até à próxima segunda feira!