Peter Kember esteve ontem em Lisboa para conduzir a tripulação do Teatro Maria Matos a uma viagem mental ao espaço.

Peter Kember tem várias vidas. Há vida com os Spacemen 3, há vida enquanto Spectrum, Sonic Boom e Experimental Audio Research, há vida como produtor. Todas as suas vidas se cruzam. Precisamente, a propósito do seu trabalho na produção, encontra-se em Lisboa para dar uma mão no próximo disco de Panda Bear. A convite da Filho Único esteve ontem no Teatro Maria Matos a apresentar temas das suas várias facetas.

Munido de sintetizadores e caixas de ritmos, guiou a composta plateia numa viagem intergaláctica, acelerada pelos samplers, pela sua voz (muitas vezes profética) e projeções de vídeo psicadélicas. Se o som é fundamental (e que acústica fantástica tem a sala do Maria Matos!), as imagens convidativas não foram menos essenciais num palco que foi, ele próprio, um laboratório de experimentação.

O set de pouco mais de uma hora iniciou-se na perfeita companhia de sons cruzados com Walking & Falling, de Laurie Anderson, seguido imediatamente de Hall of Mirrors, de Kraftwerk. Houve também lugar para os sons daquele que virá a ser o novo trabalho como EAR, os quais contribuíram para uma viagem alucinante sem sair da cadeira. 

Entranhámo-nos na música e nas imagens, como Kember se embrenhou no comando de uma viagem única que para muitos ao nosso lado se fez de olhos fechados. Notável, se pensarmos que Peter anda a fazer isto há cerca de 30 anos.

Fotografia: Facebook oficial de Spectrum