teatro rápido

Teatro Rápido: uma viagem por um amor diferente

Estrearam no passado dia 1 de fevereiro os quatro microespetaculos do Teatro Rápido relativos ao tema Quem feio ama… , o tema de fevereiro, numa invocação alternativa ao dia dos namorados, celebrado no dia 14 deste mês.

Abrem a porta do início do corredor que nos leva por mundos diferentes, em cada 15 minutos, depois de horas e dias cansativos. Na sala 1 somos convidados a assistir a Ego – Divergência da 3ª Pessoa, um espetáculo da imagem, da palavra, do arrepio e da comoção. Todos temos um pouco de nós no outro, naquele a quem confiamos o nosso amor. É disso que trata este espetáculo: de dois corpos e duas almas uníssonas, onde uma delas está quase no desespero, por não saber como continuar a relação. Quem feio ama, não ama assim – este é um amor diferente. Fábio Ferreira Sara Rio Frio proporcionam-nos um bom início, numa longa viagem que trato agora de descrever.

Sala-1---Ego-Divergencia-na

Prosseguimos viagem para uma cela de prisão, obscura, onde A Mulher do Ditador, maltratada por esconder um segredo numa altura de Golpe de Estado, angustiada por saber muito pouco, conversa com a próxima vítima de interrogatórios intimidantes. Numa sala despida e pouco intimidatória, os 15 minutos de opressão, interpretados e encenados por Flávia Carvalho e Lia Goulart, são a prova que é o trabalho de ator o essencial na pedra basilar da interpretação que é o teatro – sabe a pouco, mas sabe tão bem que dá vontade de sair e voltar a entrar, para assistir infinitamente ao bom trabalho corporal e interpretativo de quem enche um palco inexistente.

Sala-2-flyer-Mulher-do-Dita

De seguida, o oposto – não a opressão, mas a beleza existente no que é feio. A Mulher Mais Feia do Mundo, em cena na sala 3, é quase uma ode à fealdade existente em todos, que parece escondida no quotidiano atarefado de uma sociedade onde o feio não tem lugar. A Mulher Mais Feia do Mundo de feio tem pouco, porque há beleza nas palavras e na escuridão irónica do mundo onde estamos soterrados. “Só te posso amar se fores perfeito”, mesmo que a perfeição não exista. Susana Vidal criou este espetáculo com uma liberdade tremenda, na união de dois atores (Anabela Caetano e João Manso) que demonstram que na vida há teatro, e que todos temos uma vida obscura.

Sala 3 - A Mulher Mais Feia A4

Terminamos num ambiente mais fácil de assistir, mas não menos angustiante – na sala 4 somos confrontados com o retrógrado ambiente empresarial, onde prevalece a imagem à competência, onde os Moldes de Imagem ditam o destino daqueles que são sinceros e profissionais. A contradição entre sinceridade e hipocrisia, entre aqueles que se submetem e os que se recusam a aceitar, dão o mote à interpretação de Elizabeth Bochmann e Mariana Mourato. Uma interpretação que dá realidade ao texto e encenação de António Carlos Andrade, também ele participante sob as nossas costas.

Cartaz-Sala-4-Moldes-de-Ima

Termina desta forma mais uma viagem atribulada pelos espetáculos em cena na forma mais rápida, mas não simples, de fazer e ver teatro. São apenas 15 minutos que nos deixam cheios de teatro. Por fim, um brinde ao amor, pelo teatro e pelos outros. Estes espetáculos estão em cena até dia 28, de quinta a segunda, entre as 18h00m e as 20h25m, e têm um custo de 3€ cada (10€ um pack dos quatro espectáculos).

Zeen is a next generation WordPress theme. It’s powerful, beautifully designed and comes with everything you need to engage your visitors and increase conversions.

Mais Artigos
refugiados reuters
Dia Mundial do Refugiado. “O sentimento de segurança é muito mais amplo do que a ausência de conflito”