22 anos de Design é a exposição que celebra mais de duas décadas de ensino nesta área na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. Patente no segundo piso do MUDE, a exposição permanecerá aberta até março.

A mostra foi comissariada por Mário Matos Ribeiro, um dos professores que inaugurou o curso fundado sob a direção de Tomás Taveira, um nome irreversível na história da faculdade. Ao histórico co-fundador da ModaLisboa, juntou-se uma equipa maioritariamente ligada ao núcleo de Design de Moda e outros elementos que confirmam esta área como uma das mais pró-ativas da instituição e que mais visibilidade lhe tem proporcionado.

Com casa cheia, segundo a organização do MUDE, mais de meio milhar de pessoas atendeu à inauguração, na passada quarta-feira, pelas 19 horas. Após os discursos céleres de Fernando Moreira da Silva (o professor que comanda as hostes no núcleo de Design), João Pinto Duarte (Presidente da FA-UL) e Bárbara Coutinho (diretora do MUDE), o público percorreu a exposição que passa em revista vinte e dois anos dos primeiros cursos superiores associados ao Design em Portugal.

DSC_0095

Várias gerações de Design representadas na wall de entrada da exposição.

DSC_0097

As diferentes áreas inerentes ao design estão representadas numa instalação que dá início à mostra da faculdade.

A Faculdade de Arquitetura, em tempos sinónimo de criatividade, qualidade e inovação, atravessou um período de adversidades e tenta agora tornar ao brilho de outrora, através de um leque variado de parcerias, entre as quais o MUDE tem sido constante. Esta exposição, segundo Mário Matos Ribeiro, parte da necessidade de sair virtualmente das instalações do Alto da Ajuda, e procurar novas formas de divulgar e comunicar o trabalho que ali se concretiza. Através de diversos eventos como o DEMO 2013 ou o Festival In (na FIL), este objetivo tem alcançado sucesso.

A exposição, que começa com uma instalação alusiva às diversas áreas agregadas, como Moda, Produto e Serviços ou Comunicação, está dividida em diversos núcleos que compõem uma narrativa que nos remete para sensações ou conceitos motivadores da criação em Design. Colorir, Desenhar, Viver, Simplificar, Modular, (Re)Contar, Movimentar(se), Expôr e Investigar, são nove os temas pelos quais podemos deambular e cruzar influências das várias disciplinas.

DSC_0122

Colorir e desenhar, os núcleos que abrem a exposição.

DSC_0144

Na parede, ilustrações, desenhos técnicos, cartazes de ambiência, uma fase importante na projeção e comunicação em Design.

Pelo meio, o visitante poderá encontrar coordenados, scrapbooks, trabalhos de investigação, maquetas de produtos, protótipos, window displays e outros materiais que fazem parte do processo criativo e que demonstram a abrangência do design a todos os aspetos da vida contemporânea. Entre as peças mais marcantes, encontramos Harpias, de Nuno Nogueira, diversos coordenados de O Simone, apresentados no Portugal Fashion, uma maqueta de uma carruagem do TGV, reinterpretações de peças icónicas de Saint Laurent, acessórios da Ceagagê, a célebre mochila de burel com capuz de Sara Lamúrias para a Aforest Design ou coordenados de Cristina Pedro que concorreram ao Sangue Novo (numa edição antiga do concurso da ModaLisboa, o mais importante do país à época). 

DSC_0108

A montagem da exposição contou com o patrocínio da Airstar e da Eurostand. O desenho do espaço contou com a colaboração de Marco Rocha.

DSC_0156

Ao longo da exposição o visitante tem a oportunidade de folhear os sketchbooks e cadernos de inspiração dos alunos e perceber o processo criativo de cada um.

A cenografia contou com a colaboração de Marco Rocha e o patrocínio da Eurostand na montagem e da Airstar na iluminação. Os patrocínios da Fugifilm e da Instax permitiram que a exposição fosse integralmente documentada em polaróides, das quais duas centenas estão expostas na entrada, atrás de uma bola de luz gigante, e identificam todos os alunos das diversas gerações que participam nesta mostra plural.

Inicialmente pensada para permanecer um mês no segundo piso do museu, as críticas positivas geraram o compromisso do MUDE em alargar o prazo até ao mês de março. Até lá, a mostra está aberta todos os dias, exceto à segunda-feira, das 10h às 18h. A entrada é livre e os visitantes estão autorizados a fotografar as peças.

DSC_0194

No fundo, um pormenor das costas de um casaco de Ana Isabel Ramos, feito no âmbito do DEMO2013. Em primeiro plano, detalhes de uma camisola de João Caldas. Simplificar é o mote deste núcleo.

Fotografias: Maria Meyer